1ª edição dos Jogos Indígenas de Alagoas promove cultura e tradição

Texto de Paulo Chancey Junior

Durante três dias, os Jogos Indígenas de Alagoas movimentaram a capital alagoana, a competição, promovida pela Secretaria de Estado do Esporte Lazer e da Juventude (Selaj), aconteceu no estádio Rei Pelé, maior praça esportiva de Alagoas. Além da disputa de modalidades esportivas, as tribos promoveram apresentações culturais e tradicionais dos seus povos.

A abertura oficial aconteceu na quarta-feira (22); nos dois dias seguintes, foram disputadas as modalidades tradicionais indígenas durante a manhã. Já no período da tarde e da noite, as tribos que ficaram alojadas no “Trapichão”, promoviam rodas de debates e apresentações culturais.

Participaram do evento tribos das cidades de Água Branca, Palmeira dos Índios, Porto Real do Colégio, Joaquim Gomes, São Sebastião e Pariconha. Apesar da distância entre as cidades, o objetivo era o mesmo, propagar a cultura indígena, como destacou o representante do Comitê Indígena Mundial, Marcos Terena.

“Em vários lugares do Brasil, as modalidades esportivas indígenas crescem e ganham adeptos. Mas a nossa cultura, nossos costumes vão muito além. Por isso, onde que quer que estejamos, devemos seguir nossos rituais”, afirmou.

Durante o dia, pelo menos três rituais de danças tradicionais eram realizadas, sem contar com as apresentações durante a disputa das modalidades disputadas.

Veja também  Oficina de Iluminação Cênica no Teatro Deodoro abre nova turma

O superintendente de esporte, lazer, inclusão e rendimento da Secretaria do Esporte, Lazer e Juventude (Selaj), Wagno Godez, destacou a presença indígena no Rei Pelé. “Nós que estamos acostumados a conviver com as modalidades tradicionais, ficamos encantados com as tradições deles. Os Jogos 2017 servirão de aprendizado para que possamos ampliar ainda mais as disputas, trazer mais tribos e promover a cultura indígena em Alagoas”, concluiu.

Fonte: Agência Alagoas
Compartilhe: