Arquivo Público incentiva alagoanos a conhecer melhor o próprio Estado

Texto de Julianne Leão

Erguido nos históricos terrenos de Jaraguá, o Arquivo Público de Alagoas (APA) situa-se nas redondezas de um importante bairro da antiga Maceió portuária, que guarda memórias entre os antigos armazéns de açúcar e os primeiros bancos.

Especializado em assuntos referentes ao Estado de Alagoas e autores alagoanos, o espaço possui livros, periódicos, obras raras, coleção de monografias, leis, decretos e teses, além de valiosa coleção de jornais do início do século XIX.

“Esse verdadeiro tesouro está de portas abertas, pronto para ser apreciado pelos alagoanos, turistas, estudantes, professores e quem mais quiser conhecer a história alagoana e os detalhes de sua trajetória ao longo dos séculos”, conta a diretora do APA, Wilma Nóbrega.

Mais que guardar relíquias que contam a história de Alagoas, o Arquivo Público tem como missão formular uma política estadual de arquivos, além de recolher, tratar e disponibilizar ao público todo o material de caráter histórico produzido pelo Poder Executivo.

A instituição é vinculada ao Gabinete Civil e mantém convênios e parcerias com inúmeras instituições públicas, privadas, locais e nacionais para o desenvolvimento de projetos de tratamento técnico e difusão de seu acervo, além de contribuir para a formação de acadêmicos, pesquisadores e profissionais especializados.

O secretário-chefe do Gabinete Civil, Fábio Farias, ressalta os investimentos realizados na otimização das instalações do Arquivo Público. “As ações dessa gestão demonstram o firme compromisso de Renan Filho em garantir o pleno acesso à informação, um dever do Estado e um direito fundamental do cidadão”, citou Farias.

É que recentemente o Governo de Alagoas inaugurou o primeiro laboratório do Estado e é um dos primeiros do Nordeste a contar com equipamentos modernos que permitem a restauração de documentos, monitoramento de ambiente e desinfestação de acervos.

“O momento é muito propício para o Governo do Estado investir na história de Alagoas, já que estamos comemorando os 200 anos de emancipação”, lembrou o secretário.

Acervo

No Arquivo Público, é possível encontrar documentos que pertenciam aos governos do século XIX, documentos da época da ditadura militar e acervos de particulares, além de fotos de Luiz Lavenére, considerado um dos mais importantes fotógrafos brasileiros da época.

Veja também  IMA segue de prontidão no município de Marechal Deodoro

Também se encontram no APA documentos textuais (manuscritos, impressos datilografados, atas, leis, decretos, resoluções, correspondências, relatórios, balancetes, livros, folhetos e jornais), cartográficos (mapas, plantas e projetos) e iconográficos (fotografias, negativas em vidro e álbuns fotográficos) provenientes do Poder Executivo, pessoas físicas e jurídicas, do início do século XIX até os dias atuais.

Cuidados especiais

Segundo Wilma Nóbrega, diretora do APA, para que o Estado possa oferecer o acervo ao público, é condição essencial que os documentos estejam preservados e dispostos de forma organizada, de modo a permitir agilidade e transparência na recuperação da informação desejada.

“Preservar a memória de Alagoas é mantê-la viva e fortalecer suas raízes. E para que essa memória seja preservada, é preciso conservar, além de armazenar corretamente registros de fatos históricos”, acrescenta Wilma.

A umidade e temperatura, poeira, poluição, manuseio e acondicionamento são alguns dos cuidados que recebem a atenção da equipe do Arquivo Público.  Dalmariz Pugliesi é a restauradora do APA e relata um pouco da atenção que os documentos históricos recebem.

“Temos, por exemplo, refrigeradores que servem para realizar um  tratamento específico de documentos com fungos. Fazemos o trato do acervo periodicamente e todos recebem um tratamento técnico de preservação de excelente qualidade. A vinda do novo laboratório foi essencial para continuarmos a manter a originalidade de todo nosso acervo”, disse Pugliesi.

Visitas

O acesso ao Arquivo Público de Alagoas é permitido a todo cidadão brasileiro ou estrangeiro que pretenda realizar pesquisa nos acervos arquivísticos e bibliográficos. Para isso, basta agendar um dia para a visita.

O APA funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h, e o acesso aos documentos ocorre gratuitamente. Além do atendimento pessoal, em casos especiais, o APA realiza atendimentos por telefone e e-mail.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: