Casa de Direitos completa três anos com mais de 10 mil atendimentos

Texto de Victor Brasil

A Casa de Direitos, localizada no Mirante do Jacintinho, em Maceió, completou, na terça-feira (30), três anos de atuação em Alagoas. O equipamento público é coordenado pela Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev) e vem se consolidando como uma das principais portas para resolução de conflitos, inclusão social e acesso à justiça e cidadania da capital.

Desde maio de 2014, quando foi inaugurada, a Casa de Direitos já realizou mais de 10,5 mil atendimentos à população de Maceió, sobretudo do bairro Jacintinho, um dos mais populosos e de maior vulnerabilidade social da capital alagoana.

Somente nos quatro primeiros meses deste ano, o equipamento já atendeu mais 1,8 mil pessoas. Os atendimentos foram impulsionados, principalmente, pelo crescimento da atuação do Núcleo de Justiça Comunitária, um dos serviços ofertados pela Casa de Direitos.

“Ficamos muito entusiasmados com os resultados que a Casa de Direitos vem alcançando. São três anos completos de auxílio nos pequenos conflitos daquela região e na promoção da cidadania para quem mais precisa”, comemorou a titular da Seprev, Esvalda Bittencourt.

A Casa de Direitos tem como intuito promover a inclusão social de moradores da região do Jacintinho, e também contribuir para a redução da violência, mediando conflitos e propondo capacitações para difusão de uma cultura de paz com as técnicas de mediação.

Veja também  Renan Filho presta contas sobre obras tocadas pelo Governo durante entrevista

O equipamento público surgiu de uma parceria entre os governos Estadual, Federal e Municipal e é a segunda do Brasil. A primeira funciona na Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, desde novembro de 2013.

Além do Núcleo de Justiça Comunitária, a Casa de Direitos concentra serviços da Defensoria Pública Estadual e da União, Tribunal de Justiça de Alagoas, Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (ARPEN), Associação dos Notários e Registradores de Alagoas (ANOREG), Instituto de Identificação de Alagoas e Procon/AL.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: