Comemoração dos 200 anos do Estado contará com a chegada do Mutum-de-Alagoas

Texto de Clarice Maia

“Vamos trazer esse alagoano de volta!”. Quando o Estado faz 200 anos, esse é o ‘mote’ usado no projeto que pretende reintroduzir o Mutum-de-Alagoas, ave rara e extinta na natureza, outrora encontrada em áreas de Mata Atlântica, principalmente do Litoral Sul.

Os passos finais serão dados após esses dois últimos dias de intenso trabalho, quinta e sexta-feira (24 e 25), realizados pelo Grupo de Trabalho Estadual e especialistas nacionais em ave-fauna, reunidos durante a I Reunião do Plano de Ação Estadual do Mutum-de-Alagoas.

O grupo está realizando os últimos ajustes no plano que terá como primeira ação a inserção de dois casais em um viveiro que está sendo construído especialmente para receber os ‘alagoanos’. No local, visitantes poderão conhecer a ave, que não é registrada há pelo menos 30 anos na natureza e, por isso, completamente desconhecida para muitas pessoas.

“O viveiro de imersão está em fase final de construção e é chamado dessa forma, porque as pessoas poderão entrar em pequenos grupos, de cinco pessoas, e conhecer o Mutum”, comentou Fernando Pinto, presidente do Instituto para Preservação da Mata Atlântica (IPMA).

Segundo Epitácio Correia, gerente de Fauna, Flora e Unidades de Conservação do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA/AL), está em fase de conclusão a elaboração da documentação e autorizações legais para a recepção das aves.

O Mutum-de-Alagoas é considerado hoje uma das aves mais raras do planeta. Endêmica de Alagoas, ela só existe ainda porque foi reproduzida em cativeiro. Um dos responsáveis por isso é o criador Pedro Nardelli que conseguiu capturar seis exemplares e dar início ao programa de reprodução em cativeiro, com autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Veja também  Seduc publica novo prazo para contratação temporária de professores

Fernando Pinto explica que, hoje, existem cerca de 230 aves. No criatório de Nardelli existem 121 indivíduos, sendo 54 Mutuns puros.

Dessa forma, e reconhecendo a importância dos estudos e esforços, o Governo de Alagoas está empenhado em garantir a reintrodução e a sobrevivência dos espécimes.

Inicialmente, os dois casais serão os primeiros a chegar no Estado. A perspectiva é que depois sejam reintroduzidos outros três casais na natureza, após um período de adaptação – considerando que eles foram reproduzidos e ambientados na região Sudeste do país.

Para toda essa operação de reintrodução dar certo, o governador Renan Filho se comprometeu em fazer o que for possível. Para isso, além do IMA/AL, há esforços por parte da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) e do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA).

“A segurança do BPA será fundamental para que o trabalho de trinta anos não seja perdido com um tiro de espingarda”, comentou Fernando Pinto. Porque a caça está como uma das principais causas da extinção do Mutum-de-Alagoas, junto com o desmatamento para a plantação de cana-de-açúcar, na década de 1980.

Na reunião de trabalho, ficou acertado que ainda em setembro, com a chegada da primavera e as comemorações dos 200 anos de Alagoas, os primeiros casais das aves chegarão no Estado.

Além do IPMA, IMA/AL, Semarh, BPA, o grupo de Trabalho Estadual é composto ainda pelo Ministério Público Estadual (MPE), Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea), Instituto SOS Caatinga e pelo Sindicato do Açúcar e do Álcool do Estado de Alagoas (Sindaçúcar).

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: