Governo do Estado registra dois novos patrimônios vivos de Alagoas

Texto de Júlya Rocha

Em Alagoas, o dia 22 de agosto amanheceu mais colorido. Comemorado em todo o Brasil, o Dia do Folclore dedica a data de hoje a toda a sua cultura e tradição. E, aqui, não é diferente. Rica em manifestações culturais, no mês de agosto a terra do dos marechais passa a ser também a terra dos folguedos, variados e encantadores. À frente de muitas dessas manifestações encontram-se mestres que têm como dever fazer a tradição ultrapassar gerações, trabalho nem sempre muito fácil.

Pensando nisso, o Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), instituiu o Registro do Patrimônio Vivo de Alagoas, voltado para mestres e mestras que detenham conhecimentos ou técnicas necessárias para a produção e preservação de aspectos da cultura tradicional ou popular de uma comunidade estabelecida no Estado, nas áreas de danças e folguedos da cultura popular, literatura oral e/ou escrita, gastronomia, música, artes cênicas, artesanato, dentre outras manifestações.

Na manhã desta terça-feira (22), no Museu Palácio Floriano Peixoto (Mupa), foi realizada a diplomação de dois novos mestres, que chegaram para completar o time que agora passa a contar com 39 integrantes.

Iraci Ana Bomfim de Melo, 60 anos, guerreira do município de Girau do Ponciano, e Antonio Celestino da Silva, 79 anos, pajé da tribo Xucuru-Kariri, foram reconhecidos como mestres do patrimônio vivo de Alagoas.

Veja também  Procon inaugura Núcleo de Psicologia para atendimento aos consumidores

“É realmente emocionante estar aqui hoje”, conta mestre Antônio. “Eu sofri muito desde criança e nunca imaginei estar diante de todas essas pessoas, sendo tão admirado. Sou humilde, mas me sinto rico, devido a essa virtude que Deus me deu e vocês conseguiram enxergar. Esse título não muda em nada o meu trabalho; meu papel foi e sempre será defender o meu povo do extermínio e genocídio, que, infelizmente ainda fazem parte da nossa realidade”.

Para a mestra Iraci, o Guerreiro, que sempre se fez presente no seu cotidiano, é muito mais que um folguedo. “O Guerreiro faz parte da minha vida desde os 4 anos de idade. Mas só em 1988 comecei a mestrar, e não parei mais. O Guerreiro é minha casa, minha vida e, para que isso perdure, fiz minha parte, inserindo todos os meus filhos nessa tradição. Hoje só peço a Deus muitos anos pela frente e saúde, pois meu papel é fazer com que esse folguedo passe, cada vez mais, a fazer parte das futuras gerações”, encerra.

A cerimônia de diplomação teve fim por volta do meio dia, mas a celebração continuou do lado de fora do Mupa, com apresentações do grupo de pastoril Recordar é Viver e a banda de pífano Flor do Nordeste.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: