Governo se mobiliza contra os riscos de enchentes em Alagoas

Texto de Agência Alagoas

De Brasília, o governador Renan Filho convocou uma reunião entre a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e o Gabinete Civil para análise do quadro das chuvas que caem em todo Estado e dos riscos de enchentes na Capital e no interior. A Secretaria de Estado da Comunicação (Secom) também participou do encontro.

O major Moisés Pereira de Melo, coordenador da Defesa Civil, fez um detalhado relato da situação em todo o Estado e destacou os cuidados com o rio Jacarecica, pois é aquele que está recebendo o maior volume de água e o único, por enquanto, a correr risco de transbordamento.

“Já deslocamos equipes dos Bombeiros e técnicos da Defesa Civi para as margens do rio Jacarecica, assim como entramos em contato com a Defesa Civil do Município de Maceió, e estamos trabalhando em conjunto”, informou o major Moisés.

Alexandre Ayres, secretário de Estado dos Recursos Hídricos, relatou que os rios Mundaú e Paraíba ainda não correm riscos de enchentes, pelo fato de, até agora, as chuvas em suas cabeceiras, no estado de Pernambuco, não serem intensas.

Veja também  Servidor alagoano pode consultar informações no Guia de Serviços

“Estamos acompanhando, permanentemente, a situação nesses dois rios e nos demais situados nas áreas de chuvas mais intensas. No momento, apenas o Jacarecica apresenta problemas com o aumento do volume de água”.

Alexandre Ayres descreveu também o trabalho da Sala de Alerta, onde é monitorada a situação climática 24 horas por dia, ininterruptamente, e que está sendo acompanhado pela Defesa Civil Estadual e pelos órgãos municipais de Defesa Civil.

O secretário do Gabinete Civil, Fábio Farias, declarou que o governador Renan Filho entrou em contato com o prefeito Rui Palmeira e com o presidente da AMA [Associação dos Municípios Alagoanos], Hugo Wanderley, para colocar à disposição dos municípios a estrutura do Governo do Estado no caso de qualquer emergência.

Fonte: Agência Alagoas
Compartilhe: