Hospital Estadual de Delmiro Gouveia ganha reestruturação física e assistencial

Texto de Thallysson Alves

A cidade de Delmiro Gouveia ganhará um novo hospital, mas, enquanto o projeto cumpre a fase de licitação, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) investe na reestruturação da Unidade Mista Dr. Antenor Serpa, que vive uma nova fase e melhores condições de trabalho e atendimento aos sertanejos alagoanos.

Localizada no Centro da cidade, cravada na divisa entre Bahia e Pernambuco, a unidade é referência nos atendimentos clínicos, pediátricos, obstétricos e de urgência e emergência para a 10ª Região em Saúde de Alagoas, que compreende os municípios de Água Branca, Delmiro Gouveia, Inhapi, Mata Grande, Olho D’Água do Casado, Pariconha e Piranhas.

Com uma nova gestão, a unidade passou por mudanças pontuais, visando qualificar a assistência aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) que procuram o serviço de urgência e emergência. Como resultado, os atendimentos que anteriormente alcançavam uma média mensal de dois mil registros atingiram a marca de 3.580 só no último mês de setembro.

“O centro cirúrgico foi reformado e, em breve, receberá aparelhos ainda mais modernos, que irão facilitar a realização de intervenções cirúrgicas. Realizamos cirurgias de vesícula, hemorroidas, apêndice, fimose e outras com menos complexidade. Nós estamos investindo na humanização da assistência e dos espaços, na alimentação dos internos, na limpeza, na climatização, na rede elétrica e demais necessidades que visam melhor acolher o alagoano”, salienta o supervisor da unidade, Ygo Costa.

Para ele, outro ponto que tem feito muita diferença no avanço da reestruturação do Hospital Antenor Serpa são as parcerias que têm sido firmadas junto aos municípios que integram a 10ª Região de Saúde. “Todos têm se mostrado interessados e acessíveis, ajudam como podem. Com a Prefeitura de Delmiro Gouveia, por exemplo, fechamos um Termo de Cooperação Técnica que será assinado na próxima semana. Com tal documento, ganhamos maior cobertura em ultrassonografias, raios-X, vídeos endoscopias e exames laboratoriais”, anuncia Ygo Costa.

Constatação

A dor de barriga, garganta e febre angustiava o pequeno Adriel José Santos, de 5 anos. Era crise de amidalite, que levou sua mãe, Girlane dos Santos, de 27 anos, a levá-lo ao Hospital Antenor Serpa. Na sala de medicação da unidade, ela salientou que, anteriormente, era difícil encontrar alguém da cidade procurar a unidade.

Veja também  Projeto leva dança afro e percussão para alunos do ensino integral

“O atendimento era deficiente, mas, hoje eu cheguei aqui às 7h e fui muito bem recebida. Falaram que ele seria avaliado por um médico às 8h e assim foi. Ele foi medicado e eu estou consciente que devo procurar uma Unidade Básica de Saúde para melhor tratar essa inflamação”, afirma a mãe de Adriel.

Entre os 44 leitos de internação do Hospital Antenor Serpa, também estava a agricultora Aurora Vieira Sandes, de 80 anos. Fumante até seus 74 anos, ela sofre de insuficiência respiratória e hipertensão. Desde a última quarta-feira (11), ela está em observação pelas constantes crises de falta de ar.

“Já cheguei aqui pensando em encontrar o caminho de volta para casa. Mas, para a minha surpresa, estou satisfeita com a atenção que os profissionais têm me dado. Sei que a unidade ainda tem muito que melhorar, mas já avançou bastante e acredito que isso vai acontecer”, fala a agricultora, que reside na zona rural de Delmiro Gouveia, assim como Adriel.

Os ajustes são de conhecimento do supervisor Ygo Costa e do gestor da Sesau, Christian Teixeira. Por agora, além dos investimentos mencionados, também houve reforço na segurança, manutenção de aparelhos e ambientes, este último através de capinação, pinturas, biossegurança e jardinagem.

“Também criamos um Núcleo de Humanização, formado por servidores e ganhamos uma ambulância de Transporte Sanitário, além de conseguirmos um aparelho de ar comprimido, apto a atender oito nebulizações. Temos atuado para superar as dificuldades e poder escrever uma nova página na história da saúde dos sertanejos”, destaca o supervisor do Hospital Antenor Serpa.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: