Índice de mortalidade infantil em Alagoas tem redução de mais de 12% em 2017

Texto de Marcel Vital

O Estado de Alagoas registrou uma queda gradativa nos índices de mortalidade infantil registrados entre 2014 e 2017, de acordo com dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde. Segundo o levantamento referente ao ano passado, o índice de mortes a cada mil crianças nascidas vivas em Alagoas foi de 13,40, uma queda de 12,27% em relação ao ano anterior.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde, em 2014, esse índice chegava a 15,04 mortes a cada mil nascidos vivos. Em 2015, o número registrado foi de 14,65, passando para 13,97 em 2016 e 13,40 em 2017. A redução nas taxas de mortalidade, na avaliação da Secretaria de Estado da Saúde, são o reflexo de políticas públicas e investimentos feitos na área, ao lado de iniciativas como a instalação do Núcleo para a Primeira Infância, ampliação de leitos neonatais, aquisição de equipamentos e fortalecimento da Saúde nos municípios do interior do Estado por meio do repasse de recursos e qualificação de pessoal.

“Temos estimulado às mulheres a realizarem o pré-natal, criando a oferta de testes rápidos e, com isso, temos conseguido diminuir a transmissão vertical do vírus HIV. Estas medidas buscam garantir acolhimento e captação precoce da gestante, além de ampliar o acesso aos serviços de saúde e melhorar a qualidade do pré-natal”, afirmou Alessandra Viana, coordenadora do Núcleo da Saúde para a Primeira Infância da Sesau.

Ela ressaltou que, anteriormente, o óbito infantil era considerado uma fatalidade, mas, atualmente, este olhar foi modificado. Isso porque, a gestão estadual tornou mais sensível à ampliação do acesso aos serviços de saúde e a qualificação da Rede de Atenção à Saúde, que vai desde a gestação, passando pelo parto até o bebê completar um ano de vida. “Com um olhar humanizado e voltado para a primeira infância, estamos conseguindo mudar indicadores que se refletem em melhores condições de saúde para este público”, salientou.

Veja também  Estado inicia serviços de pavimentação asfáltica em Rio Largo nesta terça-feira (3)

Amamentar e Doar

Mas além as ações implementadas pela Sesau, uma medida que contribui para a redução da mortalidade infantil é a amamentação. “O leite humano é alimentação perfeita para todas as crianças. Ele é considerado completo e suficiente para garantir o bom desenvolvimento do bebê até completar dois anos. Quem mama no peito recebe uma rica composição de nutrientes, além de um produto de fácil digestão, que é completamente absorvido pelo organismo”, explicou.

Exemplo

Maria Karolline dos Santos, de 29 anos, é mãe de um bebê, de apenas sete meses, e doadora de leite materno durante esse tempo. Para iniciar o processo de doação, ela foi até o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Universitário de Maceió, onde recebeu orientação de que poderia doar o leite e evitar os incômodos do “empedramento” no seio.

De acordo com ela, semanalmente, uma equipe do hospital vai buscar o leite na sua casa. Ela disse, ainda, se sentir feliz por ajudar mães que passam por dificuldade para amamentar seus filhos. “Como eu produzo alimento para minha filha, e ela é gordinha, saudável e inteligente. Pretendo continuar doando leite enquanto estiver amamentando. Fico feliz em poder ajudar e incentivo outras mulheres a doar”, salientou Maria Karolline dos Santos.

Fonte: Agência Alagoas
Fotos: Neno Canuto
Compartilhe: