Motoristas aguardam ansiosos pela construção do viaduto da PRF

Texto de Thiago Tarelli

Vinte e cinco minutos. Esse é o tempo que o motorista Givaldo Farias gasta todos os dias no trecho entre a rotatória da Polícia Rodoviária Federal e o retorno da via, na altura da bomba do Gonzaga, no Tabuleiro do Martins.  Farias é motorista do transporte alternativo de São Miguel dos Campos e é um dos ansiosos pela implantação do viaduto da PRF, obra a ser executada pelo Governo de Alagoas, que já tem o contrato assinado e a execução será iniciada nos próximos dias.

“Gasto diariamente vinte e cinco minutos, no trecho entre a rotatória e a bomba do Gonzaga, diariamente. Isso, em média, mas tem dias que leva muito mais tempo. A região precisa de mudanças. No horário de pico, nossas viagens sempre atrasam”, lamenta Farias. O trecho citado tem apenas 2,8 km, em uma viagem de ida e volta, não chega a 6 km.

Companheiro de trabalho de Farias, Miele da Silva Oliveira conta que faz todos os dias duas viagens entre os municípios de Maceió e São Miguel dos Campos, passando pela rotatória diversas vezes ao dia. “O trânsito aqui é caótico. Acidente de moto é o mais frequente. Acredito que vai melhorar um bocado com o viaduto”, conta.

Givaldo complementa alertando que o trânsito é mais intenso ainda na região do Hospital Universitário. “O trânsito por aqui está muito lento, principalmente no trecho onde fazemos o retorno em frente ao HU. Há mais de dez anos passo por aqui todos os dias e os acidentes são frequentes. Quando acontecem, a coisa fica ainda pior”, reclama o motorista.

Em busca de dinamizar o trânsito no local, o governo de Alagoas, em parceria com o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, e por meio da secretaria de Transporte e Desenvolvimento Urbano (Setrand), irá implantar um viaduto na região.

Veja também  Representantes da ONU-Habitat conhecem o Ronda no Bairro

Conhecido como viaduto da PRF, a obra irá pretende reduzir o volume de tráfego no maior ponto de cruzamento da parte alta da cidade. Junto com a execução do equipamento urbano, que se encarregará do fluxo de tráfego mais crítico ligando a Avenida Durval de Góes Monteiro ao Aeroporto, serão ainda construídos mais dois movimentos de desnível com passagem subterrânea, aliviando o congestionamento nos fluxos Avenida Durval de Góes Monteiro/Satuba e Aeroporto/Via Expressa.

Já quem segue no trajeto conduzido pelo viaduto terá agora seis faixas elevadas e contínuas, mas livre do conflito de fluxo na passagem de nível. De cada lado, duas delas ficarão voltadas para o deslocamento de carros e motos e a terceira de uso exclusivo do transporte coletivo, garantindo o mesmo perfil de tráfego da Avenida Fernandes Lima. Sua localização, situada acima da rotatória, já foi pensada para atuar também como etapa que procede a futura implantação do corredor de transporte de massa na capital alagoana.

Os movimentos de retorno, nos cruzamentos Satuba/Satuba, Avenida Durval de Góes Monteiro/Avenida Durval de Góes Monteiro e Aeroporto/Aeroporto, continuarão sendo feitos através da rotatória.

Da mesma forma que o viaduto, a rotatória também irá se configurar como um terminal de integração entre os veículos coletivos, que irão transitar pela passagem elevada, e os que estarão circulando pelo tráfego de nível.

No total serão executados serviços no raio de 800 metros em torno da rotatória da PRF. Além da construção do viaduto e das trincheiras, a obra contará ainda com a execução de passeios, faixa de pedestre e ciclovia.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: