Obras de abastecimento de água avançam em todas as regiões de Alagoas

Texto de Diego Barros

A recuperação econômico-financeira iniciada em 2015 pela Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) apresentou reflexos expressivos em 2017, com o início de várias obras de ampliação e melhoria dos sistemas de abastecimento de água, tanto em Maceió quanto no interior, com recursos próprios da companhia. A afirmação é do presidente da empresa, Clécio Falcão, que há três anos quando assumiu o comando da estatal, adotou medidas para redução de custos, como o enxugamento de contratos e buscou junto ao Governo do Estado o apoio necessário para o realinhamento tarifário. No primeiro ano de gestão, em 2015, a companhia reduziu R$ 18 milhões em despesas – “isso sem cancelar nenhum dos contratos já existentes”, afirmou o presidente.

Juntas, essas e outras medidas resultaram na recuperação econômico-financeira da companhia, após décadas de prejuízo. Em 2014, a empresa teve prejuízo de R$ 53 milhões. Em 2015, houve uma redução de R$ 30 milhões no déficit anual. Em 2016, veio o primeiro superávit, de cerca de R$ 7,5 milhões.

“Apesar da crise hídrica que tivemos, o cenário de superávit deve ser repetir em 2017, ainda estamos fechando nosso balanço para confirmarmos. Isso é muito importante para a Casal, pois tudo o que ela arrecada é reinvestido em prol da melhoria de seus sistemas operacionais, significando melhoria na qualidade de vida da população”, enfatizou o presidente.

Nesse processo de investir com recursos próprios, a companhia aportou R$ 50 milhões para obras de ampliação e recuperação de seus sistemas. Por outro lado, numa parceria inédita com o Estado, o governador Renan Filho garantiu outros R$ 50 milhões. “Devido a isso, temos obras previstas e em execução em todas as regiões de Alagoas e que beneficiam direta ou indiretamente os 77 municípios operados pela Casal”, acrescentou Clécio Falcão.

Canal do Sertão

No Sertão, por exemplo, conforme explicou, destacam-se as obras de recuperação das estações elevatórias, com investimento aproximado de R$ 8 milhões, e de implantação de um sistema de abastecimento individual para Inhapi, com captação no Canal do Sertão, que está recebendo recursos da ordem de R$ 6 milhões. Ao ser concluída, essa obra vai sanar definitivamente a deficiência no abastecimento de Inhapi e permitir que a companhia disponibilize mais água do sistema coletivo para Mata Grande e Canapi.

Na mesma região, no município de Delmiro Gouveia, 2017 também foi o ano para início das obras de substituição de 5 mil metros de redes de distribuição de água, com investimentos de aproximadamente R$ 600 mil. No Agreste, o mesmo tipo de serviço está sendo feito em Traipu, para substituição das redes de cimento amianto por PVC.

Em Arapiraca, a Casal pretende destinar R$ 15 milhões para revitalização de redes de abastecimento, executando serviços de setorização, substituição de redes, readequação de ramais, entre outros. “Com isso, vamos melhorar a prestação do serviço, pois as redes obstruídas serão substituídas, teremos menos vazamentos e a população vai perceber a chegada de mais água em suas residências e com maior pressão”, apontou o presidente da Casal. As obras devem começar no final de fevereiro deste ano.

Veja também  Anjos da Paz acolhem dependentes químicos em Igaci

Ele também destacou os investimentos em Palmeira dos Índios, a começar pela reforma e melhoria da Estação de Tratamento de Água (ETA), com recursos aproximados de R$ 4 milhões e citou, ainda, a limpeza e desassoreamento das barragens Carangueja e Caranguejinha, que no período de estiagem secaram completamente. Elas atendem, respectivamente, Palmeira e Quebrangulo.

“Melhoramos a qualidade da água ofertada após a limpeza das barragens. A Carangueja, por exemplo, tem 40 anos de construída e nunca tinha passado por um serviço desse”, detalhou. Ainda em Palmeira, houve a ampliação dos sistemas Caçamba e Canafístula.

“Tudo isso dentro dessa parceria entre a Casal e o Governo do Estado, que permitiu a elaboração de um Plano de Investimentos com recursos da ordem de R$ 100 milhões a serem aplicados no período de um ano em Alagoas”, salientou o dirigente da empresa.

Equipamentos de última geração

Além de obras, a Casal está investindo em aquisição de equipamentos, como conjuntos motobombas e hidrômetros. Porém, um dos maiores destaques nesse sentido foi a instalação no laboratório de análise de água da ETA Pratagy, em Maceió, de um aparelho chamado cromatógrafo de íons. Ele é utilizado para monitoramento da água e coloca a Casal entre as melhores companhias de saneamento do país nesse quesito.

“Em Maceió, estamos reforçando o abastecimento de várias áreas com a perfuração de novos poços, recuperamos a ETA do Sistema Aviação, substituímos redes antigas por redes novas e, em relação à ampliação da rede de coleta de esgoto, estamos com duas obras que, somadas, chegam a quase R$ 400 milhões”, ressaltou o presidente da Casal.

De acordo com Falcão, essas duas obras, que já estão em andamento, vão levar coleta e tratamento de esgoto para cerca de 160 mil pessoas na região do Tabuleiro do Martins e outras 200 mil na região do Farol e bairros adjacentes. No Tabuleiro, as obras ocorrem por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP), enquanto no Farol elas são realizadas por meio de um contrato de Locação de Ativos.

“Em 2018, além dessas obras com a parceria da iniciativa privada, vamos repactuar o Plano de Investimentos com o Governo do Estado para aumentarmos os investimentos com recursos próprios. Acreditamos numa recuperação ainda maior da Casal, que é uma empresa séria e comprometida com os serviços que oferece aos alagoanos”, finalizou Falcão.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: