Obras de infraestrutura geram emprego e renda para população alagoana

Texto de Andressa Alves e Cecília Tavares

 O Governo de Alagoas vem preparando o Estado para um novo momento da economia no País. Um levantamento feito pela Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra) revela que as contratações no setor da construção civil contabilizam atualmente 7,6 mil empregos diretos e indiretos, distribuídos em 34 obras.

Em sua maioria, as obras do Governo de Alagoas são voltadas para a execução de sistemas de esgotamento sanitário, abastecimento de água e habitação e a previsão é que até 2018 o Estado gere mais 4 mil empregos em mais 21 obras de infraestrutura.

Nas obras de Mobilidade Urbana, executadas pela Secretaria de Transporte e Desenvolvimento Urbano (Setrand), o principal líder de geração de empregos é o programa Pequenas Obras, Grandes Mudanças, que promove a construção de escadarias drenantes, pontilhões e passeios nas grotas de Maceió, atuando em 20 comunidades.

Caetano José da Silva, de 68 anos, encarregado que trabalha nas obras da Grota do Pau D’Arco, é um dos beneficiados pelas obras estruturantes realizadas pelo Governo de Alagoas.

“Eu fiquei mais de um ano desempregado e apareceu essa oportunidade. Comecei como  carpinteiro e hoje sou encarregado, comandando uma equipe de dez pessoas.  A obra é a única fonte de renda da minha casa e de onde tiro todo o meu sustento”, explica Caetano.

Nesta obra estão sendo construídas 15 escadarias, três pontilhões de concreto e cinco de madeira. Além da geração de emprego e renda, os funcionários têm a oportunidade de participar diretamente das mudanças proporcionadas pelo Governo do Estado.

Felipe Oliveira, de 20 anos, é morador da Grota do Pau D’Arco e conquistou um emprego na obra, que deve proporcionar maior mobilidade a todos os moradores da Comunidade.

“Trabalhar pela melhoria do lugar em que moro tem uma importância diferente. Antigamente, isso aqui era cheio de buracos, as ladeiras tudo de barro, ninguém passava quando chovia. Saber que eu faço parte dessa mudança é muito gratificante”.

Veja também  Alagoas feita à mão profissionaliza artesanato alagoano e soma 13 mil cadastrados

Para o economista Cícero Péricles, as obras de infraestrutura devem ajudar Alagoas a retomar o crescimento.

“As obras representam um esforço – complementar – da gestão estadual no sentido de oferecer melhores condições ao crescimento econômico. Neste caso, dado os limites financeiros do Estado, a retomada das obras do PAC em Alagoas é uma tarefa central para o governo estadual e para a representação política alagoana em Brasília”, afirmou Péricles.

Atualmente, o Estado conta com 17 indústrias em instalação, que devem gerar 1500 empregos diretos nos próximos anos. De acordo com o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo, Helder Lima, Alagoas está investindo em infraestrutura para garantir mais qualidade de vida à população e oportunizar novos investimentos no Estado.

“Com as obras estruturantes em andamento, associadas aos incentivos fiscais do Programa do Desenvolvimento Integrado de Alagoas, o Estado se torna cada vez mais competitivo para a atração de novos investimentos e indústrias. Sem dúvidas, quando o País voltar a crescer, estaremos preparados para dar um salto”, disse Helder Lima.

Prodesin – Incentivos e Oportunidades

O Programa do Desenvolvimento Integrado do Estado de Alagoas reduz em 92% o pagamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na saída dos produtos industrializados em todo território alagoano, além de conceder o diferimento do ICMS sobre os bens destinados ao ativo fixo, sobre a matéria-prima utilizada na fabricação de produtos e na aquisição interna de energia elétrica e gás natural.

Para se ter uma ideia, o benefício fiscal na região metropolitana de Pernambuco é de 75%, oferecendo um desconto de 95% apenas na região do sertão, um território ainda sem infraestrutura adequada para a instalação de indústrias. No total, 75 empresas já operam com os benefícios do Prodesin em Alagoas e, com a melhoria da economia, a tendência é que novos negócios cheguem ao Estado.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: