Professores da Rede Pública participam de curso de Mediação de Conflitos

Texto de Luana Santana

Professores da rede pública estadual e municipal de Maceió iniciaram esta semana a primeira etapa do curso de mediação de conflitos para profissionais da rede pública de Educação. A ação é uma iniciativa da Escola Superior de Magistratura do Estado de Alagoas (Esmal), em parceria com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e a Secretaria de Educação de Maceió (Semed) e integra o Programa de Justiça e Cidadania na Escola. O curso começou nesta segunda e terça-feira (29 e 30) e terá continuidade nos dias  7 e 14 de junho.

Tendo como público-alvo os alunos do ensino fundamental, o programa visa aproximar o Poder Judiciário dos estudantes da rede pública por meio de palestras sobre cidadania e justiça e direitos e deveres no decorrer do ano letivo. A culminância da ação é a elaboração de textos para o Concurso de Redação da Esmal, cuja premiação ocorre sempre no final do ano.

Este ano, dez unidades de ensino foram selecionadas para participar do Programa: Teotônio Vilela, Edmilson Pontes, Dom Otávio, Anaias de Lima e Mota Trigueiros pela rede estadual e Padre Pinho, Antídio Vieira, Kátia Pimentel Assunção, Haroldo da Costa, João Sampaio pela municipal.

Para 2017, a temática a ser trabalhada em sala de aula é “A mediação de Conflitos para Uma Cultura de Paz” e, para isso, os gestores das escolas contempladas participam de curso que os capacita com práticas de mediação escolar e busca na solução de conflitos.

Veja também  Estado isenta ICMS de veículos para instituições cadastradas na Nota Fiscal Cidadã

Aproximação

Coordenador do programa, o juiz Hélio Pinheiro explica que o curso tem uma função social. “Ele vai preparar os profissionais de ensino, ajudá-los a identificar conflitos e solucioná-los da melhor forma”, afirma.

Conceição Marques, técnica que acompanha o programa pela Seduc, relatou como as ações do programa são desenvolvidas nas escolas estaduais. “Durante o ano, são efetivadas várias atividades que são desenvolvidas nas escolas e na própria Esmal, como palestras, caminhadas ecológicas, Cine Esmal, Natal Solidário e o concurso de redação. Esse ano, temos três novas ações no projeto, uma delas é o Projeto Jovem Juiz, onde os alunos receberão um conflito e os professores selecionarão a melhor solução mediada pelo aluno”, adianta Conceição.

Um dos participantes do curso, o diretor da Escola Estadual Teotônio Vilela, Cássio Costa, diz que a formação traz benefícios a professores e alunos. “Ela contribui significativamente para nos preparar da melhor forma para a solução de conflitos. Todo o conteúdo repassado aqui nós socializaremos com o nosso grêmio estudantil”, frisa o diretor.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: