Projeto leva dança afro e percussão para alunos do ensino integral

Texto de Ana Paula Lins

O Centro de Artes e Mediações Culturais Ranilson França (CAMEC) da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) vai fomentar a criação de grupos de dança afro e percussão nas escolas estaduais Princesa Isabel e Afrânio Lages, ambas no Cepa. Por meio do Projeto Dançarte, o Centro vai promover  uma parceria com as duas instituições – que são de ensino integral – para estimular ainda mais o protagonismo juvenil.

“A ideia é incentivarmos a criação de grupos destas duas modalidades artísticas dentro da oferta de eletivas e clubes juvenis. Para isso, trouxemos uma ‘aula show’ com o professor Edu Passos, de dança, e Wilson Santos, de percussão”, informou Juliana Amorim, diretora do CAMEC, referindo-se a apresentação realizada nas duas unidades de ensino na tarde de sexta-feira (21).

Receptividade – A iniciativa foi bem recebida pelas escolas e suas equipes gestoras. Na Escola Estadual Princesa Isabel, o grupo de percussão já preencheu quase todas as vagas em um dia. “Os alunos estão muito animados”, relata Valquíria Balbino, uma das diretoras da instituição. “E o grupo de dança afro vai incrementar as atividades já desenvolvidas com o nosso clube juvenil de dança”, avalia Valquíria.

Diretor adjunto da Afrânio Lages, Sidclay de Menezes, também elogia o projeto. “Como somos ensino integral, ações como essa, que tiram os alunos da rotina, são muito bem-vindas, pois incentivam o protagonismo juvenil”, afirma. Ele conta ainda que a unidade planeja transformar a o curso de dança afro, hoje oferecido para as turmas de 3ª série do ensino médio, em uma oferta eletiva do ensino integral a partir do ano que vem. “Ela se somaria às outras nove eletivas que temos: Física Aplicada, Teatro, Astronomia, Redação, Saúde Pública, Inglês, Robótica, Saúde Geral e Futsal”, informa Sidclay.

Veja também  Secult divulga resultado de seleção para 14ª Mostra Alagoana de Dança

Ansiosos – Os estudantes se mostraram ansiosos em se aprofundar nestas modalidades artísticas. Richard Kelvin Soares, aluno da 1ª série do ensino médio integral da Escola Princesa Isabel, vai aperfeiçoar suas habilidades musicais por meio do grupo de percussão. “Já toco violão e agora quero aprender percussão”, diz. Caso similar ao de Carlos Henrique Santos, que é estudante da 2ª série do médio integral na mesma escola. “Toco pandeiro e, com esse grupo, terei mais um instrumento de percussão”, revela.

Integrantes do grupo de Dança da Princesa Isabel, Eloisa Sumaia, Millena  Ketheleen e Noêmia Victória da Costa também estão animadas com o projeto. “Gostamos muito da aula show e esse grupo de dança afro vai incrementar as ações que já temos aqui na escola”, fala Eloisa.

Estudante da Afrânio Lages, Mirelle Santos também quer participar o grupo de dança. “É uma experiência diferente, divertida e nos permite interagir com diversas pessoas”, conclui a aluna da 2ª série do ensino médio integral.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: