Reintegração Social promove encontro psicossocial com reeducandos no Alto Sertão

Texto de Maysa Cavalcante

“No presídio, ouvia muitas histórias de pessoas que voltavam a cometer crimes porque não tinham oportunidades de trabalho após cumprirem suas penas. Mas aqui fora a realidade é diferente. Através do convênio, recebo meu salário em dia e sustento minha família. Sou muito grato pela oportunidade dada pelo Governo de Alagoas”, afirmou emocionado o custodiado Wilton Tenório, durante o encontro psicossocial realizado nesta semana, em Delmiro Gouveia.

A ação fez parte das atividades desenvolvidas pela Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris), na 8ª edição do Governo Presente. Uma equipe psicossocial do setor de Reintegração Social da pasta, composta por psicólogas e assistentes sociais, reuniu os reeducandos conveniados que prestam serviços nos postos de atendimento da Secretaria da Fazenda (Sefaz) nos municípios do Alto Sertão.

A psicóloga Juliana Monteiro explica que além dos encontros, os agentes penitenciários vão até os postos de trabalho dos reeducandos fiscalizar as atividades. “No Governo Presente, temos a oportunidade de nos aproximarmos ainda mais dos custodiados que trabalham nos municípios do interior de Alagoas. Com acompanhamento e orientações, eles podem melhorar os serviços desenvolvidos causando um bem para toda sociedade”, disse.

Veja também  Mais 25 municípios alagoanos devem ter a situação de emergência decretada

“Durante o encontro os reeducandos têm a chance de tirar dúvidas sobre o tempo de pena, qual o regime em que ele se encontra, se há alguma dificuldade enfrentada na execução das tarefas, além de apresentar os cursos de capacitação profissional ofertados pela Seris”, destaca Monteiro.

O gerente regional da Secretaria da Fazenda em Delmiro Gouveia, José Dantas, fala da experiência com os egressos. “Os custodiados atuam nas funções de portaria, serviços gerais e pedreiro. Eles são aplicados, cuidam do patrimônio com muito zelo, são pontuais e proativos. Sem dúvidas essa iniciativa é muito importante para que eles se reintegrem a sociedade”.

“O emprego aqui fora foi uma benção de Deus. Antes de entrar no sistema, trabalhei na roça de forma autônoma e agora na Sefaz tenho o meu primeiro emprego em uma empresa. É realmente um sonho ter essa porta aberta depois do tempo que passei no presídio. Voltei a me sentir um cidadão depois dessa chance”, finaliza Wilton Tenório, que há seis meses atua no posto fiscal da Sefaz em Xingó.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: