Seris e Raízes de África promovem a igualdade e dignidade no cárcere

Texto de Mayara Wasty

Para efetivar a ressocialização, o Governo do Estado, por meio da Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) tem firmado parcerias com instituições que compartilham do mesmo propósito da pasta: criar oportunidades para ressocializar os apenados. Com a articulação do Instituto Raízes de África, a Seris fomenta ações dentro e fora do cárcere.

Na próxima terça-feira (25), em parceria com a Secretaria, o Instituto realizará, no Espaço Multieventos Santa Luzia, no Complexo Penitenciário, o Conversa de Bastidores. A ideia surgiu após a 1ª Conferência Livre da Saúde das Mulheres Encarceradas e a Conferência Livre de Promoção de Políticas da Igualdade Racial, ocorrida em junho, no Presídio Feminino Santa Luzia.

O Conversa de Bastidores terá como tema central o Dia Nacional da Mulher Negra e de Teresa de Benguela. Internas, servidoras e visitantes irão debater estratégias para reafirmar os espaços de direitos das mulheres privadas de liberdade. Arísia Barros, coordenadora do Instituto Raízes da África, explica a importância de fomentar o debate no ambiente carcerário.

“A programação do encontro, além de proporcionar momentos de lazer e prazer, através de dinâmicas e rodas de conversas, terá discussões sobre diversos temas, como a construção da autoimagem, através do ‘espelho interno’, como também a percepção da autoestima”, destaca a coordenadora do Instituto Raízes da África.  As ações acontecerão de 25 a 27 de julho.

Veja também  Projeto torna gratuito o exame de mormo e anemia infecciosa equina

O secretário de Ressocialização, TC Marcos Sérgio de Freitas, lembra que Alagoas é signatária com a Política de Atenção da Mulher Presa e Egressa do Sistema Prisional e busca mais avanços para promover a igualdade. “Executamos uma política referência no País. Entretanto, entendemos que a evolução deve ser permanente com a participação da sociedade civil”, concluiu. 

Dia Nacional da Mulher Negra  A data, comemorada no dia 25 de julho, foi instituída pela Lei nº 12.987/2014, inspirada no Dia da Mulher Afro-Latina-Americana e Caribenha, criado em julho de 1992. Neste mesmo dia também é celebrado Tereza de Benguela, líder quilombola que viveu, onde hoje é o Estado de Mato Grosso, durante o século XVIII.

Fonte: Agência Alagoas
Compartilhe: