Seris inicia 36ª seleção para ingresso no Núcleo Ressocializador da Capital

Texto de Maysa Cavalcante

Há seis anos, Alagoas possui uma unidade que atende totalmente às determinações da Lei de Execuções Penais (LEP), com um índice de reincidência criminal inferior a 5%. Referência em gestão prisional no país, o Núcleo Ressocializador da Capital (NRC) segue sua diretiva com base nos Módulos de Respeito, que preza pelo diálogo, transparência e honradez.

Para ampliar ainda mais o projeto que já mudou a vida de centenas de reeducandos, nesta semana, a Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) iniciou a 36ª seleção para ingresso de internos na unidade prisional. A expectativa é que o processo seja concluído no dia 9 de outubro, com o preenchimento de 30 vagas. Atualmente, 124 internos cumprem pena na unidade com capacidade para 157 custodiados.

Cerca de 50 custodiados de várias unidades prisionais estão participando do processo seletivo que é dividido em etapas. Eles serão entrevistados por uma equipe multidisciplinar composta por psicólogos, assistentes sociais e agentes penitenciários. O histórico do custodiado também é analisado. Caso seja considerado apto, o custodiado assina um Contrato Voluntário de Adesão.

Segundo a assessora especial do NRC, agente penitenciária Polianna Bugarin, o comprometimento com a política ressocializadora é um dos principais diferenciais dos internos que estão na unidade. “Durante a seleção, o reeducando tem a oportunidade de conhecer o funcionamento do Núcleo e decidir se realmente está disposto a participar do projeto de forma voluntária. Ao assinar o contrato, há um comprometimento em cumprir as normas e regulamentos “, afirma.

Veja também  Escola de Paripueira representa rede estadual em Brasileiro de Vôlei de Praia Escolar

A assessora revela que há uma lista de espera com 50 reeducandos para a 38ª seleção. “Para estar no Núcleo, o custodiado precisa, necessariamente, estudar e trabalhar, além de participar dos cursos ofertados. Acredito que esse é um dos motivos para essa grande procura por parte dos reeducandos. Aqui eles serão estimulados constantemente e preparados para mudar de vida”, conclui Bugarin.

Núcleo Ressocializador
O NRC funciona no antigo Presídio Rubens Quintella. O prédio, interditado pela justiça em 2007, foi reformado com recursos próprios. As obras foram executadas com mão de obra carcerária e os espaços adaptados para receber oficinas profissionalizantes e salas de aulas.
A metodologia empregada é dos Módulos de Respeito, fundamentada na relação de respeito entre servidor e reeducando. A iniciativa rompeu com o modo de custódia empregado até então. O comportamento dos internos são acompanhados e avaliados diariamente, através dos conceitos positivo (P) ou negativo (N).

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: