Técnicos de hospitais da Sesau são capacitados sobre descarte de resíduos

Texto de João Victor Barroso

Os profissionais que atuam nas unidades vinculadas à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) estão sendo capacitados sobre o destino correto que deve ser dado aos resíduos hospitalares produzidos.  O objetivo da ação, que já ocorreu na Unidade de Emergência do Agreste, em Arapiraca, e no Hospital Ib Gatto Falcão, em Rio Largo, é evitar acidentes e a contaminação do meio ambiente.

Isso porque, os resíduos hospitalares produzidos nas unidades mantidas pela Sesau devem ser divididos e, posteriormente, recolhidos pela empresa Serquip, contratada pelo Estado. A empresa é especializada em realizar a eliminação do material, descartando-a adequadamente, por meio da incineração.

Segundo Gláudia Medeiros, assessora técnica da Gerência de Assistência Hospitalar da Sesau, as capacitações estão atualizando os profissionais sobre a legislação referente ao tratamento de resíduos sólidos. Com isso, os técnicos estarão aptos a atuar corretamente, evitando que o descarte do lixo hospitalar seja feito de modo incorreto, trazendo prejuízos para o meio ambiente e para os próprios servidores.

“Quando os resíduos produzidos pelas unidades hospitalares têm o destino correto, o número de acidentes de trabalho é reduzido, como em casos onde o profissional se machuca com objetos perfurocortantes. Por isso, a importância de descartar as seringas e agulhas nas caixas coletoras destinadas a esse material, evitando a contaminação do meio ambiente, com a presença de algum material biológico”, disse a assessora técnica da Sesau.

Veja também  Serra da Barriga (AL) concorre ao título de Patrimônio Cultural do Mercosul

Cada resíduo gerado pelas unidades de saúde possui uma maneira adequada para ser eliminado e são divididos em cinco grupos. “Fazem parte do grupo A, os resíduos biológicos, como bolsas com sangue contaminado; o grupo B são os resíduos químicos, no caso de reagentes de laboratório. Já os resíduos radioativos integram o grupo C, mas não fazem parte dos serviços oferecidos pela Sesau”, explicou Gláudia Medeiros.

“A categoria D é destinada para o lixo comum, pois são objetos que não causam risco para o meio ambiente e para a saúde, como luvas, gazes e papéis que não foram contaminados. O último grupo é destinado para os perfurocortantes, com lâminas, agulhas e ampolas de vidro, sendo eliminadas nas caixas coletoras de papelão”, informou a assessora técnica da Sesau, ao acrescentar que nos próximos dias serão capacitados os técnicos dos Hospitais Arnon de Mello, em Piranhas; Quitéria Bezerra, em Água Branca; e Antenor Serpa, em Delmiro Gouveia.

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: