Universitários ampliam conhecimento com ações ressocializadoras

Texto de Maysa Cavalcante

Agir com transparência, quebrar mitos e aproximar a comunidade acadêmica do cárcere para fomentar as boas práticas ressocializadoras. São esses os objetivos do projeto Conhecendo na Prática. Nesta semana, acadêmicos da Faculdade Estácio e Universidade Paulista, dos cursos de Direito e Serviço Social, respectivamente, estiveram no Complexo Penitenciário

Em menos de um ano em execução, o projeto coordenado pela Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) já contemplou mais de 400 universitários de várias unidades de ensino. Nas visitas, os servidores penitenciários apresentam o dia a dia das unidades, sobretudo, com ações no âmbito da educação, segurança, trabalho e humanização das penas.

O professor da disciplina de Direito Penal da Estácio, Bruno Arruda, afirma que a oportunidade de aliar o conhecimento teórico com a prática é enriquecedor para os alunos. “Independente da área de atuação no Direito, os operadores têm que saber para onde vão aqueles que cometem uma infração penal. Estive no Complexo e pretendo retornar outras vezes com os estudantes”, disse.

O acadêmico da Estácio Kelsin de Araújo lembra que o conhecimento evita o preconceito. “Além de ter uma estrutura excelente, percebi que há uma preocupação com a situação humana do interno. No Núcleo Ressocializador o interno é acolhido. Os tempos de penas cruéis foram superados. Em Alagoas, o sistema propicia trabalho e estudo aos reeducandos”, pondera Araújo.

Veja também  Seduc promove certificação do Programa Brasil Alfabetizado em Arapiraca

“Se a maioria da população conhecesse o trabalho desenvolvido no Complexo Penitenciário, com certeza o preconceito social diminuiria. Nem tudo aquilo que escutamos fora do cárcere é realidade. Por isso a visita torna-se ainda mais importante. E eu, como estudante de Direito, pretendo ampliar meus estudos na área penal e falar sobre a realidade que vivencie na visita”, conclui Araújo.

Para o assessor de Comunicação da Seris, Victor Costa, a presença dos alunos se deve a atuação dos agentes penitenciários. “A gestão responsável e eficiente dos agentes têm despertado cada vez mais a atenção da sociedade. Alagoas é referência em ressocialização e os acadêmicos perceberam que a produção de conteúdo pode ser ampliada com as boas práticas que surgem no cárcere”, reitera.

Fonte: Agência Alagoas

Foto: Jorge Santos

Compartilhe: