UTI do HGE passa a contar com especialistas na área de saúde bucal

Texto de Neide Brandão

O Hospital Geral do Estado (HGE) conta, agora, com profissionais cirurgiões dentistas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A iniciativa atende o projeto de lei da câmera (PLC) 34/2013, aprovado na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal, em maio de 2016, e torna o HGE o primeiro hospital público em Alagoas com a especialidade.

De acordo com a gerente do hospital, Marta Celeste Mesquita, a intenção é assistir os pacientes internados na UTI geral. Em seguida a pretensão é expandir a assistência bucal a outras áreas fechadas como a UTI pediátrica, unidade de AVC, queimados, cardiologia, entre outras.

“Essa é uma importante vitória para os pacientes críticos. Recebemos três profissionais para atender nossa UTI. O atendimento específico manterá a higiene bucal e a saúde do paciente durante a sua internação, contribuindo imensamente para a prevenção das infecções hospitalares, principalmente as respiratórias”, enfatizou a gerente.

Caio Branco, cirurgião dentista na unidade, salientou que a pneumonia associada a ventilação mecânica (PAV) é a infecção mais comum nas UTI’s, podendo atingir 27% dos pacientes que respiram com a ajuda de aparelhos, com uma taxa de mortalidade de até 50%. “Um paciente bem cuidado na Unidade de Terapia Intensiva significa diminuição do tempo de internação, ingestão de medicamentos menor e redução do número de óbitos”, salientou.

Segundo ele, a falta de tratamento dentário aumenta a possibilidade de infecções nas UTI’s. “As infecções bucais podem agravar o estado geral do paciente. Por isso, é de extrema importância dar atenção à higiene e prevenção. Dentre as infecções hospitalares, as infecções pulmonares são de grande preocupação para os médicos das UTIs”, salientou.

Veja também  Bloco "Nêga Fulô" arrasta multidão no Carnaval do Bicentenário na Ponta Verde

Ainda de acordo com ele, a falta de higienização oral propicia a colonização do biofilme bucal por microrganismos patogênicos, especialmente respiratórios. “O tratamento odontológico inclui a higiene bucal adequada, prevenindo e tratando a cárie, periodontites, estomatites e outras doenças bucais e sistêmicas”, completou o especialista, evidenciou.

Rodolpho Medeiros, também cirurgião dentista no HGE, ressaltou que entre os benefícios do serviço de odontologia intensivista, pode-se destacar a melhora da qualidade de vida do paciente. Por meio dele, ocorre a diminuição do gasto com antibióticos de alto custo, o diagnóstico precoce de doenças graves, queda na indicação de nutrição parenteral e a redução dos custos de internação.

“Nossa intenção é levar o projeto para as enfermarias do HGE, através do módulo odontológico móvel e, futuramente, para a realização do tratamento em âmbito ambulatorial para pacientes com condições sistêmicas e de movimentação”, observou.

Assistência bucal

A obrigatoriedade da assistência odontológica a pacientes internados em hospitais públicos e privados, proposta pelo Projeto de Lei da Câmara (PLC) 34/2013 e aprovada na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal, em maio de 2016, traz importantes benefícios aos pacientes. O projeto de Lei regulamenta a presença do cirurgião-dentista nas UTI’s e inclui a assistência odontológica no atendimento e internação domiciliares do Sistema Único de Saúde (SUS).

Fonte: Agência Alagoas

Compartilhe: