Brasil defenderá melhorias nas condições de trabalho na OIT

O Brasil vai defender o trabalho decente rural e a formalização da economia informal na 329ª Reunião do Conselho de Administração da Organização Internacional do Trabalho (OIT). O encontro, que acontece em Genebra, na Suíça, de 13 a 24 de março, tem o objetivo de planejar e definir as prioridades do organismo internacional nos próximos anos.

A chefe de Divisão de Organismos Internacionais do Ministério do Trabalho, Dominique Rocha Mattos, explica que o Brasil tem sido considerado nas reuniões da  OIT uma referência na transição da economia informal para a formal. “Segundo dados do IBGE, a média dos números brasileiros tem mostrado uma melhora importante nos últimos anos nessa área”, justifica.

No início de 2012, os trabalhadores informais eram 38,4% no Brasil. No final do ano passado, esse percentual já estava em 34,6%. “A informalidade vem caindo significativamente ano a ano. Momentos de crise econômica, entretanto, tendem a diminuir esse ritmo de queda. Por isso, a importância de se continuar enviando todos os esforços na formalização do mercado de trabalho”, explica.

Outro tema que será tratado na reunião da OIT é a promoção do trabalho decente no meio rural. Ele vem ao encontro das políticas prioritárias do Ministério do Trabalho, pois envolve combate ao trabalho escravo e ao trabalho infantil no campo.

Veja também  Boleto vencido pode ser quitado em qualquer banco a partir de hoje

O Conselho de Administração da OIT é o órgão executivo do organismo e tem representantes de trabalhadores, empregadores e de governos. Atualmente, o Brasil tem representantes nas três bancadas.

O grupo se reúne regularmente três vezes por ano – em março, junho e novembro – para tomar decisões sobre as políticas da OIT, decidir a ordem do dia da Conferência Internacional do Trabalho e eleger o diretor-geral.

Durante esses encontros, é tratada uma série de assuntos propostos pelas comitivas internacionais. Na reunião que ocorre na próxima semana, mais de 50 temas estarão em pauta.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério do Trabalho 

Compartilhe: