Com sistema rigoroso, fiscalização brasileira garante qualidade da carne

Reconhecido internacionalmente pela eficácia e rigor, o sistema de fiscalização da produção brasileira de carne garante a qualidade do produto. A prova disso é que ela é exportada para mais de 150 países.

Organizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), esse sistema fornece uma série de mecanismos e programas que buscam avaliar a qualidade do produto que chega à mesa do consumidor ou é vendido para outros países. Conheça abaixo as principais ferramentas utilizadas pelo governo para garantir o controle de qualidade da carne produzida no Brasil.

– Serviço de Inspeção Federal (SIF)

O Serviço de Inspeção Federal, conhecido mundialmente pela sigla SIF, é o responsável por assegurar a qualidade de produtos de origem animal comestíveis e não comestíveis destinados ao mercado interno e externo, bem como de produtos importados. Atualmente, o SIF tem atuação em mais de 4.837 estabelecimentos brasileiros, todos sob a supervisão do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa).

O SIF completou 102 anos em 2017 e é reconhecido internacionalmente pela competência e responsabilidade na promoção da segurança alimentar.

O corpo técnico que atua na inspeção junto aos estabelecimentos, composto por Auditores Fiscais Federais Agropecuários e Agentes de Inspeção Sanitária e Industrial de Produtos de Origem Animal, é responsável pela inspeção ante e post mortem dos animais destinados ao abate, pela execução das verificações oficiais dos autocontroles implementados pelas empresas, incluindo a avaliação de suas condições higiênico-sanitárias e de funcionamento, coletas de amostras para realização de análises laboratoriais, certificação sanitária oficial, entre outras atividades.

Veja também  Governo destina R$ 100 milhões para apoio ao sistema prisional

– Rede oficial de laboratórios do Mapa

O Mapa tem uma rede de Laboratórios Nacionais Agropecuário (Lanagro) que é um conjunto de unidades laboratoriais do Mapa, que desenvolve atividades técnico laboratoriais voltadas à defesa sanitária dos rebanhos e lavouras brasileiras, além da certificação de produtos e insumos  agropecuários. Com diversas unidades, os laboratórios fornecem informações valiosas para os serviços de inspeção e fiscalização e também coopera estudos e projetos de pesquisa voltados para a segurança do alimento e à detecção de fraudes econômicas.

– Programa Nacional de Controle de Patógenos (PNCP)

O Ministério da Agriculta tem ainda Programas Nacionais de Controle de Patógenos que permitem identificar a prevalência dos organismos capazes de provocar doenças em produtos de origem animal produzidos pelos estabelecimentos brasileiros registrados junto ao SIF. Com isso, é possível o Dipoa identificar e estabelecer medidas de controle para o perigo, implantar essas medidas de controle e monitorar os resultados obtidos a fim de garantir a segurança alimentar do consumidor frente a esses patógenos.

– Programa de Avaliação de Conformidade de Padrões Físico-químicos e Microbiológicos de Produtos de Origem Animal Comestíveis

Esse programa tem como objetivos a obtenção de dados para verificar o índice de conformidade de produtos de origem animal, a avaliação dos controles de produtos e de processos realizados pelos estabelecimentos e subsidiar o gerenciamento de risco pelo Dipoa.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Agricultura 

Compartilhe: