Alagoanas conciliam vida de empreendedoras e a prazerosa missão de ser avós

Por: João Paulo Macena – Algo Mais Consultoria e Assessoria em Agência Sebrae de Notícias

Foi-se o tempo em que as avós eram aquelas senhoras que ficavam apenas na cadeira de balanço, fazendo crochê, ou à beira do fogão, cozinhando guloseimas para os netos. As avós da segunda década do século XXI são mulheres empreendedoras, ativas, navegam na internet, acompanham as redes sociais, estão sempre em busca de novidades e, o melhor disso tudo, continuam dando muito amor e participam ativamente do crescimento dos netos.

Em Maceió, Mauricéa Lima, diretora do Colégio Novo Milênio, e Maria Ilenilda, proprietária da Loja Mari Macena, são exemplos disso. Ambas administram negócios atendidos pelo Programa Agentes Locais de Inovação (ALI), coordenado pelo Sebrae e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para promover a prática continuada de ações de inovação nas micro e pequenas empresas.

Mauricéa, empreendedora há 22 anos, revela que iniciou o negócio de educação ofertando aulas de reforço em um cômodo da sua casa. Com o aumento da demanda, o reforço escolar foi crescendo, tomou outras partes da casa e se transformou no que hoje é o colégio, que oferece formação da Educação Infantil ao 5º ano, aulas de inglês, judô e ballet.

Foi com a educação que a pedagoga criou as filhas Maria Poliane – mãe dos gêmeos Breno Henrique e Pablo Henrique, de seis anos de idade – e Karla Priscilla, mãe do pequeno Arthur Vinicius, de um ano e três meses. As filhas também ajudam no colégio, que ainda conta com oito funcionários. A filha mais velha, Maria Poliane, desempenha a função de secretária; Karla, a caçula, é a coordenadora da escola.

Em meio à vida de diretora, Mauricéa também passou por momentos difíceis na vida pessoal, principalmente quando a filha Maria Poliane foi diagnosticada com um adenoma (tumor) na hipófise. Mãe aos 15 anos, Mauricéa revela que ser avó, particularmente para ela, é como se fosse uma oportunidade de aproveitar a maternidade novamente.

“Fizemos uma corrente de oração, porque os médicos disseram que ela não poderia engravidar e que era arriscado ter filhos por conta do adenoma, mas Deus foi muito bom conosco e nos deu duas crianças. Fui mãe jovem e não tive o tempo e a maturidade de lidar com aquela situação. Hoje, é como se eu fosse mãe novamente, com maturidade. Sou mãe, avó, mulher, dona de casa e trabalho fora. Vim para a vida para escrever meu nome com letras maiúsculas”, destacou, orgulhosa, a empresária.

Na vida de Mauricéa, as capacitações, oficinas e consultorias do Sebrae também estão presentes. Por meio de indicações do ALI, foram trabalhados aspectos como marketing digital, atendimento ao público, suporte nas redes sociais e até melhorias na fachada da escola. A diretora também já concorreu ao Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, etapa estadual.

Flávio Carvalho

De avó para filhas e netos

Maria Ilenilda, avó de Gabriel, de 10 anos, e Maria Clara, de dois, também trabalhava no ramo da educação. Foi professora e resolveu empreender após a aposentadoria. Com o incentivo da irmã, Ileilda, e da filha Mariana – homenageada com o nome da loja – Maria Ilenilda abriu o negócio em 2013. Além de Mariana, Maria também é mãe de Matheus, de 17 anos. A Loja Mari Macena trabalha com moda feminina, ofertando uma variedade de produtos para os clientes.

Veja também  Sine Maceió inicia emissão da carteira de trabalho

Sempre buscando melhorias para a empresa, as três se revezam entre a administração da loja e a participação em capacitações, cursos e oficinas do Sebrae em Alagoas, indicadas pelo ALI, que também trabalhou e deu sugestões sobre o mix de produtos, o posicionamento da loja, o atendimento, marketing digital e relacionamento com o cliente. Hoje, elas têm bem definidas as funções profissionais de cada uma na loja.

“Procuramos sempre estar atualizadas, nos envolver com as redes sociais e oferecer produtos que estão na moda. Desde 2015, temos o apoio do Sebrae, que nos ajudou bastante no desenvolvimento do nosso negócio e nos trouxe muito conhecimento. A Mariana cuida das redes sociais e dos fornecedores. Já eu e minha irmã assumimos a gestão, as finanças e as vendas. No início, a gente não sabia muito bem como gerir um negócio, mas com o Sebrae, através do ALI, passamos a direcionar as coisas de forma mais completa e profissional”, frisou Maria Ilenilda.

O que é ser avó e empreendedora?

Em meio às capacitações e à gestão da empresa, Maria também reserva um tempo para se dedicar aos netos, que, às vezes, também ficam na loja. Ela definiu um pouco do sentimento do que é ser avó e empreendedora ao mesmo tempo.

“Ser avó e, ainda, empreendedora é mais do que gratificante, é maravilhoso. Tenho me desenvolvido bastante, aqui na loja, em casa, com os netos e com os clientes. Meus netos sempre estão por aqui, fazem festa quando nos visitam. Sempre encontro um tempinho para administrar o negócio e ficar pertinho deles, para brincar, sair com eles, ir ao cinema. Tudo isso me trouxe renovação, ideias novas e vitalidade”, concluiu Maria Ilenilda.

Mauricéa também compartilhou seu sentimento de ser avó e empreendedora. “Ser avó é a realização maior de uma mulher. As pessoas dizem que estou mais jovem a cada dia e, quando me perguntam o segredo, eu digo: o meu segredo é ser avó. Minha perspectiva de vida mudou bastante após essa conquista familiar, o meu olhar sobre as pessoas e sobre as crianças mudou. Como trabalhamos com o período integral, meus netos estudam aqui e ficam o dia inteiro no colégio. As mães deles e eu trabalhamos aqui, então podemos acompanhar toda a vida deles, o crescimento, o desenvolvimento da educação, as primeiras palavrinhas e os primeiros passos. É uma experiência maravilhosa”, finalizou.

Dannyel Macário, ALI responsável pelas duas empresas, enfatiza que Mauricéa e Maria Ilenilda são exemplos claros de que nunca é tarde e não existe tempo nem idade para empreender.

“Aquela antiga visão da avó aposentada ou sem energia a gente já pode jogar fora, porque ficou no passado. As avós de hoje em dia têm uma tripla jornada: cuidando da família, dos netos e dos negócios. Elas têm sonhos, planos e metas a serem alcançados. Nesse trabalho feito através do Programa ALI, nós podemos ver que os empresários não são somente números ou estatísticas. O empresário é humano. É importante lembrar que atrás de um empresário existe um ser humano, uma mãe, um pai ou um avô que leva com ele o ofício de cuidar. As duas mulheres, avós e empresárias, que eu atendo representam bem isso”, destacou Dannyel.

Compartilhe: