Alunos da Escola Kátia Assunção participam do projeto Procon Mirim

Na tarde desta terça-feira (13), trinta alunos do 4º ano, da Escola Municipal Kátia Assunção participaram do projeto Procon Mirim. Eles assistiram a uma palestra e um vídeo e aprenderam um pouco sobre o papel do Procon como um órgão de defesa do consumidor. Os estudantes também foram a um supermercado e receberam um certificado simbólico de Fiscal Mirim.

O Procon Mirim é um projeto onde um grupo de alunos da escola pública é levado a um estabelecimento comercial e recebe informações sobre a rotina de fiscalização e orientações também sobre o que os pais devem fazer no ato da compra.

1303-procon-mirim_esc-katia-assuncao-mf-11

Leandro Almeida, diretor executivo do Procon Maceió disse que as crianças são importantíssimas nesse processo de conhecimento dos direitos do consumidor. “Elas são multiplicadoras de informações. Se nós educarmos as crianças, elas vão espalhar aquilo que estão aprendendo e vão se tornar cidadãos mais conscientes dos seus direitos. Essa é a finalidade principal dessa ação que é o Procon Mirim. Essas ações acontecem em datas comemorativas, como realizamos o ano passado na Escola Pio X e agora com a Escola Kátia Assunção”, lembrou.

De acordo com a professora Ana Cristina,  essa é uma atividade interessante porque eles saíram de dentro dos muros da escola e vieram para um supermercado ter o contato com os produtos e recebem o conhecimento de que não podem consumir nada fora da data de validade. “Muitos deles têm pais que não têm escolaridade. Essas  crianças podem ajudar muito na hora de ir a um supermercado. Então é muito interessante tanto pra eles como cidadãos como para passar para os pais em casa”.

Veja também  IPTU: prazo para pagamento em cota única termina nesta sexta

1303-procon-mirim_esc-katia-assuncao-mf-26

 

 

Para a aluna Girlene Mendes Barbosa, essa atividade foi ótima. “A gente aprende a olhar a data de validade, a não comprar, por exemplo, se for uma lata amassada porque um produto que serve para conservar pode se misturar ao alimento e contaminar, e se for embalagem plástica, não pode estar furada”, resumiu.

Ascom Semed

Compartilhe: