Artesão expõe coleção Raiz da África na Feira da Economia Solidária

O artesanato é uma profissão que se aprende através das gerações dentro das próprias famílias. O artesão descobre a arte pelo dom, a sensibilidade e a criatividade ímpar. “Aprendi que para um mundo melhor, é preciso reaproveitar. E encontrei isso no artesanato”, afirma André Emerenciano, que há 20 anos se encantou pelo mundo da modelagem de bonecas em cerâmica.

O artesão é do grupo Recriando, vinculado à Secretaria Municipal do Trabalho, Abastecimento e Economia Solidária (Semtabes). As peças são exclusivas e já alcançaram patamares internacionais. Ele agora está expondo os produtos na orla marítima de Maceió, em frente ao Iate Clube Pajussara, na Feira da Economia Solidária.

As peças são esculpidas em cerâmica, sem o uso de máquinas, modeladas à luz da beleza africana e fazem parte da coleção Raiz da África. “Trabalhar com as mãos faz com que a peça, já finalizada, tenha assinatura do artesão e se torne única aos olhos do consumidor”, explica André.

Peças são exclusivas e feitas sem o uso de máquinas (Foto: And´re Miranda / Ascom Semtabes)

Peças são exclusivas e feitas sem o uso de máquinas (Foto: André Miranda / Ascom Semtabes)

Além do Grupo Recriando, a Feira da Economia Solidária conta com outros 17 grupos comercializando bonecas de pano, fuxico, panos de prato, toalhas personalizadas, bolsas, acessórios e artigos de decoração.

Veja também  Câmara sanciona Dia Municipal de Combate ao Abuso Infantojuvenil

O espaço também disponibiliza produtos do segmento alimentício, com comidas típicas regionais. A exposição permanece no local até o dia 15 de agosto, de segunda a domingo das 10h às 22h.

André Miranda e Tatiane Gomes (estagiários)/ Ascom Semtabes

Compartilhe: