Capacitação orienta sobre cuidados com crianças especiais nos abrigos

O aumento da demanda de crianças e adolescentes com transtorno mental nas Unidades de Acolhimento Institucional de Maceió levou a Secretaria Municipal Assistência Social (Semas) a buscar capacitação para os profissionais dos conhecidos abrigos. Em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, profissionais do Capsi (Centro de Atenção Psicossocial Infanto Juvenil) a iniciar acompanhamento para ajudar no atendimentos à crianças e adolescentes que, por algum motivo, tiveram seus direitos violados e estão nas unidades de acolhimento.

A capacitação teve início na Unidade de Acolhimento Institucional Luzinete Soares, que atualmente atende 23 meninas com idade entre 7 e 17 anos, sendo cinco delas especiais. De acordo com a coordenadora geral de Acolhimento Institucional da Semas, Sônia Ivanoff, a proposta é preparar os profissionais para esta demanda que vem aumentando nas unidades do Município.

“Nós estamos, atualmente, com cinco meninas com algum tipo de transtorno e tudo isso é muito novo para os profissionais. Algumas delas, mesmo medicadas, chegam a entrar em surto e precisamos aprender a lidar com esta situação, proporcionando um trabalho técnico-humanizado e auxiliando no tratamento e proporcionando melhor qualidade de vida para essas meninas”, destacou a coordenadora.

A terapeuta ocupacional do Capsi, Maria Luiza Morais, destacou que o primeiro encontro realizado com os profissionais da Unidade de Acolhimento Institucional Luzinete Soares foi uma roda de conversa para diminuir as ansiedades. “Este primeiro momento foi importante até para que estes profissionais entendam que estão sim fazendo a coisa certa, apesar de acharem que não. É importante saber diagnosticar e medicar, mas no trabalho diário não há uma receita, é trabalhar de acordo com a necessidade do dia a dia e isso elas sabem fazer”, destacou a terapeuta ocupacional.

Veja também  Resultado de convênio com instituições de ensino é publicado

Christiane de Medeiros da Silva, coordenadora da unidade de acolhimento, reforçou o engajamento e mobilização das profissionais que trabalham no abrigo e a preocupação de todos em proporcionar o melhor para quem está na unidade por ter tido algum direito violado. “Somos a esperança destas meninas e temos a função de identificar o potencial dessas crianças após a violação de direitos. Somos os adultos de referência e precisamos proporcionar o melhor para elas. Esta capacitação está sendo muito importante para fortalecer a garantia de direitos destas meninas”, completou.

A capacitação seguirá para as demais unidades de acolhimento mantidos pela Prefeitura de Maceió.

Flávia Duarte/ Ascom Semas

Compartilhe: