Creas planeja ações para coibir trabalho infantil no Benedito Bentes

Técnicas do Centro Referência Especializado de Assistência Social (Creas) Benedito Bentes participaram de reunião com representantes do Conselho Tutelar das Regiões Administrativas IX e X, da Viva Ambiental e da Casa da Cidadania, a fim de definir estratégias para coibir o acesso de crianças e adolescentes que pegam carona em caminhões coletores.

Segundo a coordenadora do Creas Benedito Bentes, Daniela de Almeida, na região é feito um trabalho contínuo de prevenção e combate ao trabalho infantil, mas algumas crianças e adolescentes pegam carona nos caminhões e outras fazem isso para chegar ao aterro sanitário, localizado Benedito Bentes, para pegar alimentos descartados por supermercados da região. “Além das crianças encontradas em situação de trabalho infantil, o Creas faz o acompanhamento das famílias. A Viva Ambiental também está planejando a implantação de um projeto para atender essas crianças”, explicou.

Para a secretária de Assistência Social de Maceió, Celiany Rocha, a situação é crítica e inadmissível, pois além de ser perigosa, submete crianças e adolescentes à situação de trabalho infantil. “Estamos sempre acompanhando, fazendo os encaminhamentos necessários, mas a reincidência dos casos acaba prejudicando bastante. Essa articulação com os demais órgãos é de suma importância para que esses índices de trabalho infantil diminuam”, destacou.

Veja também  Mutirão recolhe 190 toneladas de lixo no Dique Estrada

Nos casos de trabalho infantil, a equipe Semas verifica se as crianças e adolescentes estão cadastradas em programas sociais e matriculadas na escola e as encaminham aos Creas e aos Núcleos do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) dos Centros de Referência da Assistência Social (Cras) para que sejam acompanhados e tenham acesso às políticas públicas.

Qualquer pessoa também pode ligar para o Disque 100 e denunciar o caso ou procurar o Conselho Tutelar mais próximo, o Conselho Municipal de Assistência Social, o Ministério Público do Trabalho ou a Superintendência Regional do Trabalho de Alagoas.

Vanessa Napoleão/Ascom Semas

Compartilhe: