Crianças atendidas pela Semas visitam Bienal Internacional do Livro

As crianças dos Serviços de Convivência dos Centros de Referência da Assistência Social (Cras) Dom Adelmo Machado e Área Lagunar visitaram a 8ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas. As duas unidades são equipamentos sociais da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas). A intenção da visita é propiciar a vivência cultural a partir da literatura, levando a garotada a conhecer os autores e a participar de atividades que incentivam o hábito de leitura. Cerca de 70 meninos e meninas visitaram o principal evento literário alagoano.

As crianças participaram de atividades como a contação de histórias no Expresso do Saber, um ônibus da Secretaria Municipal de Educação (Semed) que abriga uma biblioteca itinerante sobre rodas. Lá, puderam conhecer um conto espanhol e ouviram as histórias do Sítio do Pica-Pau Amarelo com a presença ilustre da Emília e do Saci Pererê. Durante a visita, a garotada também viu um show de mágica, uma exposição sobre o folclore alagoano e posaram para fotos ao lado do Bumba-Meu-Boi.

A pedagoga do Cras Área Lagunar, Ana Cristina Germano Lima, diz que propiciar a participação das crianças do Serviço de Convivências das duas unidades da Semas é primordial para inserir a garotada num universo até então desconhecido para eles que moram em comunidades da periferia de Maceió. “É uma possibilidade excelente para apresentar aos meninos e meninas um universo que eles não conhecem e muito mais que isso é mostrar que eles podem ser inseridos, que eles podem vivenciar e se sentirem pertencentes ao mundo da literatura”, diz Ana Cristina.

A pedagoga diz ainda que as crianças ficaram encantadas com os livros e que esse também é um dos objetivos dos Cras, possibilitar a vivência da cidadania através da cultura e da educação ao descobrir novas perspectivas que trabalham com o imaginário e a criação cultural.

Veja também  Reuniões definem próximos trabalhos da Sima

As crianças foram acompanhadas pelos facilitadores de arte e cultura e educadores sociais. Todas elas estavam identificadas com crachás e puderam ver e participar do universo literário alagoano conhecendo alguns autores que estavam na Bienal Internacional do Livro de Alagoas.

“É uma oportunidade de levar as crianças a estes espaços de interação sociocultural para realizar um aprendizado sobre a literatura, a poesia, a contação de história e a manter um contato direto com os autores. É uma forma de vivenciar a literatura e a cultura ao vivo”, diz a coordenadora do Cras Dom Adelmo Machado, Djane Araújo.

Djane diz ainda que os meninos e meninas ficaram encantados com tudo o que viram e apreenderam. “A crianças ficam com os sentidos mais aflorados para conhecer realidades diferentes daquelas que elas vivem. São ainda motivadas para estudar e a mostrar os talentos, principalmente aquelas que já fazem poesias”, diz a coordenadora.

O trabalho de inclusão social realizado com crianças e adolescentes pelos 15 Cras existentes em Maceió através do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos é aperfeiçoado com a realização de ações, projetos e atividades que envolvem a cultura e as linguagens artísticas como o teatro, a dança, o cinema, a literatura, os folguedos populares, o canto, a música, a capoeira e outras expressões que fazem parte da vida humana e que estão presentes nas ações realizadas pelas equipes multiprofissionais dos Serviços de Convivência.

Cícero Rogério/Ascom Semas

Compartilhe: