Greve dos professores é decretada ilegal pela Justiça

Na manhã deste domingo (23), o plantão do Tribunal de Justiça de Alagoas deferiu em favor da Prefeitura de Maceió duas medidas ajuizadas pelo município. A primeira decisão declara ilegal a greve dos professores que estava programada para esta segunda-feira (24), com pena de multa diária ao Sindicato dos Trabalhadores do Estado de Alagoas (Sinteal) caso a paralisação aconteça.

A segunda decisão é em favor do interdito proibitório, que proíbe que manifestantes de invadirem espaços públicos e repartições para manifestações.

O procurador geral do Município Diogo Coutinho informou que as ações tomadas pela administração do município ocorreram por haver uma ilegalidade e abusividade greve. “Percebemos que a maioria dos requisitos para que haja a deflagração desse movimento não estava sendo atendida, por isso entramos com o pedido de liminar pela ilegalidade da greve”.

“Ficamos sabendo que haveria a possibilidade dos grevistas ocuparem a Secretaria Municipal de Economia,. Entramos com uma segunda ação, o interdito proibitório, que impede manifestantes de entrarem em órgãos públicos e instituições para realizar manifestações. Não estamos impedindo o direito de se manifestar, estamos buscando manter a normalidade no município e das atividades administrativas”, acrescentou Coutinho.

Veja também  Isenção da taxa de iluminação beneficia mais de 100 mil famílias

A Secretaria Municipal de Economia (Semec) informa que devido à crise no país a administração pública tem trabalho com o máximo de esforço para manter as contas em ordem, incluindo os pagamentos dos servidores. Realizar o reajuste dos servidores levaria a folha de pagamento da cidade para o vermelho, como o que acontece na cidade do Rio de Janeiro, onde os servidores sofrem com o não pagamento dos salários, devido à reajustes desorganizados. Por este motivo, a Prefeitura de Maceió entende que não é cabível o reajuste salarial neste momento.

Cayo Borges /Secom Maceió

Compartilhe: