Grupo de trabalho discute estudo sobre fissuras no Pinheiro

O grupo de trabalho criado para dar continuidade aos estudos no bairro Pinheiro esteve reunido, nesta quinta-feira (07), para discutir tecnicamente o surgimento das fissuras na região. Durante o encontro, que aconteceu no gabinete da Prefeitura de Maceió, gestores dos governos Federal, Estadual e Municipal alinharam as atribuições em relação à situação para que os estudos sigam integrados entre as três esferas com as respectivas competências legais de cada instituição envolvida.

A continuidade da investigação foi discuta em Brasília, com o Governo Federal, após a emissão do laudo elaborado pelos professores doutores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que iniciaram os levantamentos e recomendaram estudos mais aprofundados. Segundo explica o titular da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Semds), Gustavo Acioli Torres, a composição do grupo estabelecida na capital federal envolve a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, a Agência Nacional de Mineração (ANM) e a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM).

“É de extrema importância que todos os órgãos corresponsáveis pelo estudo estejam em Maceió. Fomos a Brasília solicitar o apoio do Governo federal e os técnicos vieram para que, a partir de um plano de trabalho elaborado pela Prefeitura e pela UFRN, possamos iniciar os próximos estudos até que se tenha um diagnóstico definitivo, o que possibilitará a adotar as medidas necessárias para preservar o bairro e os moradores. Só teríamos como avançar com a união dos órgãos federais”, explicou o secretário.

Secretaria adjunta da Semds, a Defesa Civil segue com o monitoramento de todos os casos que foram registrados. O gestor da pasta, Dinário Lemos, reforçou que todas as situações estão sendo acompanhadas e estão inseridas em um banco de dados para utilização nas novas etapas do estudo. Sobre a reunião, o secretário-adjunto afirmou que a equipe técnica da CPRM e ANM estão com levantamentos avançados, o que deve colaborar para o estudo.

Veja também  Zona Azul: começa fase educativa; conheça como vai funcionar

“Todos os técnicos vieram a Maceió já subsidiados de informações sobre a situação. A CPRM fez uma avaliação criteriosa e apresentou um plano de trabalho com metodologias de estudos geofísicos e sismológicos, algo semelhante ao que foi traçado pela Prefeitura e pela UFRN. Agora, com os órgãos alinhados, vamos definir os próximos passos com a utilização de equipamentos que nos possibilitem chegar a uma conclusão”, colocou Lemos.

Diretor da CPRM, Antônio Carlos Bacelar acompanhou a reunião com a equipe técnica e falou sobre o andamento dos estudos. “Participamos desse encontro para elaborar o plano que irá identificar as causas e efeitos desses fenômenos que estão ocorrendo no bairro Pinheiro. Os estudos estão avançados e vamos continuar avançado para apresentar possíveis soluções quando forem identificadas as causas. Quando se lida com um fenômeno geológico as coisas podem ser rápidas ou de médio e longo prazo. É certo que vamos trabalhar com a agilidade que o tempo requer para darmos uma informação e tranquilizar os moradores da região”, disse.

O assessor-técnico da Agência Nacional de Mineração, José Antônio dos Santos, reforçou a importância da integração dos órgãos. Ele explicou que a ANM, que é uma autarquia vinculada ao Ministério de Minas e Energia, tem o papel fiscalizador no grupo de trabalho.

Defesa Civil e técnicos vistoriam o bairro do Pinheiro. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

Defesa Civil e técnicos vistoriam o bairro do Pinheiro. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

“A ANM figura como o órgão gestor dos recursos minerais. Ou seja, nós tratamos desde a outorga até o fechamento da mina, cuidamos do aproveitamento dos recursos minerais. Enquanto órgão fiscalizador, estamos no grupo para colaborar com a Defesa Civil no âmbito da nossa competência. A soma de esforços é o que vai trazer os melhores resultados, visto que cada órgão tem a sua especificidade, área de atuação e as informações que, somadas, vai trazer o diagnóstico correto sobre as fissuras”, afirmou Santos.

Além da Semds, da CPRM e ANM, participaram também representantes da Defesa Civil Nacional e Estadual, e professores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) que estão colaborando com os levantamentos. Após a reunião, os técnicos realizaram visitas no Pinheiro.

Lucas Alcântara/ Ascom Semds

Foto: Marco Antônio/ Secom Maceió

Compartilhe: