Maceió vai ganhar escultura do ator Paulo Gracindo

Foi no teatro, cinema, televisão e rádio que Pelópidas Guimarães Brandão Gracindo, o famoso Paulo Gracindo, deu vida a diversos personagens. O ator, que interpretou uma das figuras mais emblemáticas da teledramaturgia brasileira, o prefeito Odorico Paraguaçu, na novela “O Bem Amado”, de Dias Gomes, será homenageado pela Prefeitura de Maceió, por meio da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac), com uma escultura a ser posicionada na orla marítima da Pajuçara. A inauguração do monumento acontecerá na próxima sexta-feira (14), a partir das 8h, com a presença de familiares do homenageado.

Na quinta-feira (13), às 19h, no Centro Cultural Arte Pajuçara, será exibido o longa-metragem “Paulo Gracindo – O Bem Amado”. O documentário, lançado em 2009, foi dirigido por Gracindo Júnior, filho do ator. Cerca de 150 pessoas devem prestigiar o evento que antecede a inauguração da escultura.

Inauguração da estátua de bronze de Graciliano Ramos para as comemorações dos 200 anos de Maceió. Leo Santana - Escultor das esculturas de bronze. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

Leo Santana – autor das esculturas de bronze instaladas na orla de Maceió. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

A escultura de bronze foi feita pelo escultor mineiro Léo Santana, que também fez as estátuas em tamanho real dos ilustres alagoanos Graciliano Ramos e Aurélio Buarque de Holanda, inauguradas em 2015 em comemoração aos 200 anos de Maceió, e do poeta Carlos Drummond de Andrade, posicionada no calçadão de Copacabana, no Rio de Janeiro.

Para o presidente da Fundação, Vinicius Palmeira, a escultura simboliza a importância do ator consagrado para a cidade e o Estado onde ele viveu e descobriu o amor pelas artes cênicas. “Nossa orla marítima vai ganhar mais um atrativo. Um atrativo de peso e de bronze. E muito maior que o bronze da escultura é o valor do homenageado para o estado de Alagoas. Iremos homenagear o ator alagoano de maior notoriedade no Brasil do século passado”, enfatizou.

Trajetória

Paulo Gracindo nasceu no Rio de Janeiro em 1911 e mudou de endereço ainda criança, com a família para morar em Maceió. Foi na capital alagoana que ele teve o primeiro contato com o teatro amador. O ator morou no bairro da Pajuçara, onde a escultura será instalada. Aos 20 anos, após a morte do pai, o influente político Demócrito Gracindo, Paulo Gracindo voltou a morar no Rio de Janeiro para iniciar definitivamente uma longa história no meio artístico.

Veja também  Pesquisa vai identificar perfil dos turistas que visitam Maceió

Ao longo das décadas de 1930 e 1940, o ator participou das companhias de teatro Alda Garrido, Procópio Ferreira, Elza Gomes e Dulcina de Moraes. Foi locutor, apresentador, radioator, compositor e comediante em programas de rádio de grande sucesso na década de 1950 como “Noite de Estrela” e “Edifício Balança Mas Não Cai”.

Na televisão, Paulo Gracindo foi ator, apresentador, animador e humorista. Sua estreia em telenovelas foi ao lado de Fernanda Montenegro na TV Rio em “A Morta Sem Espelho”, de Nelson Rodrigues, em 1963. Na TV Globo, na década de 1970, o ator conquistou o público ao interpretar dois grandes personagens da teledramaturgia brasileira: o bicheiro Tucão, em “Bandeira 2”, e o prefeito Odorico Paraguaçu, em “O Bem Amado”, de Dias Gomes.

O antológico prefeito Odorico Paraguaçu rendeu ao ator os prêmios de melhor ator da Associação Paulista de Críticos de Arte e da rede de TV Mexicana Televisa. Paulo Gracindo também participou de outros trabalhos de grande audiência na televisão aberta como “Gabriela”, “Roque Santeiro”, “Mulheres de Areia”, “Rainha da Sucata” e “Vamp”. Sua despedida da teledramaturgia foi uma participação especial na minissérie “Agosto”, em 1993.

No cinema, o ator consagrado trabalhou em mais de 20 filmes. Entre eles, “A Falecida”, de Leon Hirszman, “Terra em Transe”, de Glauber Rocha, e “Cara a Cara”, de Júlio Bressane. Paulo Gracindo morreu no dia quatro de setembro de 1995, no Rio de Janeiro, após ser diagnosticado com câncer.

Robson Muller/ Ascom Fmac

Compartilhe: