Prefeito Rui Palmeira conhece Plano de Iluminação Pública

O prefeito Rui Palmeira conheceu, na tarde dessa quarta-feira (29), os detalhes do Plano Mestre de Iluminação Pública de Maceió, que contempla o Projeto Maceió Iluminada.

O gestor da Superintendência Municipal de Energia e Iluminação Pública (Sima), Frederico Lins, apresentou o Plano com o arquiteto Plínio Godoy, responsável pela elaboração do documento. Técnicos da Sima e da Vasconcelos e Santos Ltda também participaram da reunião. O projeto pretende implantar a iluminação em LED em mais de 70 mil luminárias existentes atualmente na capital alagoana.

O projeto estabelece quatro pontos importantes: a luz social, a paisagem, a segurança e a economia de energia. A análise social e morfológica do plano atende todos os requisitos exigidos, da iluminação nas vias de maior transporte, às ciclovias, espaços públicos e áreas de passeio.

Godoy destacou os benefícios do LED para uma cidade como Maceió. “A vantagem de se trabalhar com o que a gente chama de luz digital é que, além de economizar muita energia, ela é facilmente integrável com outros sistemas de gestão eletrônica. Você pode trabalhar com outras soluções tecnológicas que conversam com a iluminação digital, a vida do sistema é muito mais longa e conseguimos mais de 60% de economia”, explicou o arquiteto.

Veja também  Avenida Pierre Chalita é interditada para realização de serviço

A iluminação em LED (sigla em inglês para Light Emitting Diode, em português Diodo Emissor de Luz) já existe em várias partes da capital alagoana. O primeiro local a contar com o novo sistema de iluminação pública foi o conjunto Cidade Sorriso. Hoje, a praça Lucena Maranhão, a Avenida Júlio Marques Luz (antiga Avenida Jatiúca), a Avenida Leste Oeste, o Povoado Saúde, parte da Orla Marítima, a Praça da Faculdade no bairro do Prado e mais algumas vias espalhadas por Maceió já são iluminadas com esta tecnologia.

“Esse sistema proporciona uma iluminação melhor para as pessoas. Com esta iluminação branca as pessoas enxergam mais coisas, o olho humano tem uma capacidade de enxergar melhor com a luz branca que com a amarela, que é o sistema tradicional. Isto representa também uma economia de energia muito grande, economia de recursos, possibilidade de integração tecnologia. Em breve, os postes conseguirão captar informação nas cidades, o que chamamos de Cidades Inteligentes, e vão facilitar a implantação de novas soluções a problemas que ainda vão aparecer”, finalizou Godoy.

Afrânio Aquino/ Ascom Sima

Compartilhe: