Prefeitura amplia acesso à educação inclusiva

Garantir educação de qualidade a todos os alunos da rede municipal de ensino é um compromisso da Secretaria Municipal de Educação (Semed). Por isso, no ano de 2017, a rede promoveu diversas ações para melhoria da educação inclusiva. Alunos com deficiência e altas habilidades são ensinados levando em consideração as características de cada criança, além de capacitação continuada dos profissionais envolvidos nessa modalidade de ensino.

Em 2017, a rede municipal de ensino recebeu matrículas de 3.256 alunos com algum tipo de deficiência, o que corresponde a 7% do total de estudantes. Para melhor atender o número expressivo de novos alunos, foram inauguradas Salas de Recursos Multifuncionais (SRM) nos Centros Municipais de Ensino Infantil (Cmeis) Denisson Menezes e Luiz Abílio. As duas instituições receberam salas de recursos, viabilizados por meio de recursos próprios da Semed. Com isso, a rede de ensino passou a oferecer 66 escolas acessíveis e 78 salas de recursos em sua rede.

Educação inclusiva na Escola Municipal Walter Pitombo Laranjeiras. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

Educação inclusiva na Escola Municipal Walter Pitombo Laranjeiras. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

Parcerias

Além disso, em 2017, a rede proporcionou a participação dos professores e profissionais de apoio especializado em congressos nacionais, focados na discussão da síndrome de  down e do autismo.
Também firmou parceria com a Uncisal para formação de professores na creche Kyra, bem como a renovação dos convênios com as instituições Pestalozzi, Aappe, Fandown e Funcae.

Para acolher os estudantes com deficiência, quem necessita de ensino direcionado conta com atendimento educacional especializado nas unidades escolares e nas instituições conveniadas com a Semed (Pestalozzi, Funcae, Aappe e Fandown). As SRM são divididas em dois tipos e equipadas com materiais pedagógicos e de acessibilidade. Nas salas tipo 1, são oferecidos aparatos de informática, mobiliários e jogos pedagógicos adaptados. Já nas salas tipo 2 ficam os recursos para deficiências específicas, como cegueira ou surdez.

Foto: Thiago Guimarães

Foto: Thiago Guimarães

Os ambientes contam com atendimento individualizado, considerando as necessidades de cada aluno, que é assistido em dois horários distintos. Em um dos turnos, as crianças com deficiência frequentam turmas em salas de aula regulares, porém são acompanhadas por um profissional em formação das áreas de psicologia ou pedagogia.

Veja também  Câmara isenta consumidor da taxa de estacionamento em estabelecimentos

“A sala de recursos é diferenciada, pois é feito um programa único para cada aluno, a fim de que eles complementem a aprendizagem que acontece na aula regular. A professora avalia a criança e vendo se precisa de complemento ou suplemento na aprendizagem, essa criança é encaminhada para acompanhamento na sala de recursos, onde são trabalhadas habilidades individuais. Se o estudante é cego, a especialista da sala de recursos vai fazer leitura de imagens em braile; se ele é surdo, faz utilizar libras”, explica a secretária municipal de Educação, Ana Dayse Dorea.

Educação inclusiva na Escola Municipal Walter Pitombo Laranjeiras. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

Educação inclusiva na Escola Municipal Walter Pitombo Laranjeiras. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

A Rede Municipal de Ensino disponibiliza 400 profissionais de apoio à modalidade, que dão suporte para as crianças dentro da sala regular. Durante o turno inverso das aulas, os alunos são direcionados às salas de recursos, onde participam de atividades ministradas por profissionais especializados em psicopedagogia ou educação inclusiva.

Caso a escola mais próxima da residência do aluno não disponha da sala de recursos, o aluno é remanejado para a instituição acessível mais próxima. Para os estudantes com deficiência física ou com mobilidade reduzida, são ofertados transportes acessíveis para realizarem o translado da residência para unidade escolar.

Eduardo Araújo (Estagiário) – Ascom Semed

Compartilhe: