Prefeitura consolida democratização dos recursos para cultura

Democratizar o acesso à cultura é o principal objetivo das políticas adotadas pela Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac). Só neste ano, a Prefeitura de Maceió, por meio da Fmac, promoveu nove chamadas públicas voltadas a vários segmentos da área, com o intuito de fomentar e disseminar as atividades culturais na cidade.

A política de editais dá transparência aos processos que envolvem os recursos públicos destinados à cultura em Maceió, além de ser uma estratégia que possibilita o acesso democrático a esses investimentos e torna justa e igualitária a seleção dos grupos que participam das atividades culturais.

Os editais contemplam as mais variadas vertentes da cultura, entre elas, a dança, a música, a literatura, o teatro e os folguedos. Os eventos promovidos pela Fundação em 2017, a exemplo do 25º Festival de Bumba Meu Boi, Giro dos Folguedos, Forró de Vera, Saurê Palmares e Festa das Águas, foram fundamentados no formato dessa política.

Outro edital lançado este ano foi o da Rede Municipal de Pontos de Cultura, uma iniciativa firmada a partir de um convênio entre a Prefeitura e o Ministério da Cultura com o objetivo de fomentar atividades culturais nas unidades de ensino. Ao todo, 15 propostas foram selecionadas por meio dessa chamada pública.

Um dos projetos contemplados pela chamada pública foi o Conta Contos, da Associação Teatral Joana Gajuru. “A proposta busca, principalmente, criar novos espectadores e multiplicadores da cultura. Cada vez que saímos de uma comunidade, nós conseguimos deixar uma semente de tudo que foi produzido ali. Dessa vez, além do teatro, iremos fomentar uma gama de disciplinas de outras áreas interligadas”, disse a atriz, produtora cultural e diretora teatral da Associação, Waneska Pimentel.

Entrega de certificados às entidades culturais. Foto: Marco Antônio/ Secom Maceió

Entrega de certificados às entidades culturais. Foto: Marco Antônio/ Secom Maceió

“Nessa política de editais, todos concorrem da mesma forma. Não existe melhor ou pior projeto. Existem aqueles que preenchem a lacuna cultural existente no Município em determinado momento”, completa a produtora.

Veja também  Paralisação dos professores em Maceió: grevistas terão ponto cortado

Segundo o diretor de Políticas Culturais da Fundação, Marcos Sampaio, a política de editais provocou mudanças significativas na forma de distribuir os recursos públicos destinados à cultura. “Essa política acaba com o chamado ‘balcão de pedidos’, que perdurou por muitos anos. Os editais visam ampliar a participação da comunidade cultural, permitindo que esses grupos mantenham e até expandam sua atuação dentro da cidade”, argumenta.

Marcos Sampaio, diretor de Políticas Culturais da Fmac. Foto: Secom Maceió

Marcos Sampaio, diretor de Políticas Culturais da Fmac. Foto: Secom Maceió

Por meio das nove chamadas públicas lançadas em 2017, o Município investiu mais de R$ 1,8 milhão em projetos culturais e artísticos executados na capital alagoana.

Paula Araújo (estagiária)/ Ascom Fmac

Compartilhe: