Profissionais de unidades de acolhimento participam de Terapia Comunitária

Profissionais das Unidades de Acolhimento Institucional da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) estão tendo a oportunidade de participar de uma terapia em grupo, chamada Terapia Comunitária Integrativa, que é um espaço de escuta de acolhimento e cuidado com o servidor.

Com a mediação de psicólogas da Semas, os profissionais falaram sobre assuntos que os angustiam no dia a dia, na família, no ambiente de trabalho, sobre qualquer coisa que tira o sono deles. Depois, escolheram um tema em comum e falaram sobre o sentimento de cada um em relação a esse assunto e como se identificaram com essa situação. Os profissionais também participaram de dinâmicas de grupo.

Segundo a psicóloga da Semas, Adriane Gusmão, esses profissionais lidam diariamente cuidando dos usuários que procuram os serviços das unidades de acolhimento. “Falar sobre as dificuldades e angústias é uma forma de se fortalecerem e se ajudarem com a experiência do outro. É um espaço para fortalecer a relação entre os profissionais e isso vai refletir num melhor atendimento aos usuários”, ressaltou Adriane.

Para a secretária de Assistência Social de Maceió, Celiany Rocha, essa iniciativa é bastante válida. “Esse momento de troca de experiências incentiva a empatia, o companheirismo e a solidariedade no ambiente trabalho. Isso com certeza refletirá nas atitudes desse profissionais não só nas unidades de acolhimento como também na vida pessoal de cada um”, destacou.

Veja também  Prefeitura entrega Pam Dique Estrada reformado nesta quinta

A  Semas possui sete unidades de acolhimento institucional que atendem a crianças, adolescentes, população em situação de rua, mulheres e grupos familiares afastados temporariamente do seu núcleo familiar ou comunitários e que se encontram em situação de abandono, ameaça ou violação de direitos, que são: Unidade de Acolhimento Institucional Rubens Colaço, Unidade de Acolhimento Institucional Acolher, Unidade de Acolhimento Institucional Luzinete Soares de Almeida, Unidade de Acolhimento Institucional Casa Lar, Casa de Passagem Professor Manoel Coelho Neto, Casa de Passagem Familiar e a Unidade de Acolhimento Institucional para Mulheres Vítimas de Violência Doméstica Viva Vida.

A Terapia Comunitária Integrativa é uma metodologia criada há 27 anos pelo psiquiatra e antropólogo Adalberto Barreto, da Universidade Federal do Ceará. O objetivo é construir redes sociais solidárias e mobilizar recursos das pessoas e comunidades para resolver problemas como estresse, violência, depressão e dependência química. A possibilidade de ouvir a si mesmo e aos outros participantes traz outros significados às suas vivências, conquistas, potencialidades e aos seus sofrimentos, diminuído o processo de somatização e complicações clínicas.

Vanessa Napoleão/ Ascom Semas

 

Compartilhe: