Servidores são capacitados sobre gestão de resíduos

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio do setor de Contratos da Diretoria Geral de Administração (DGA), promoveu uma capacitação sobre gerenciamento resíduos sólidos nos serviços de saúde. O treinamento foi realizado na última terça-feira (22), no auditório da SMS e direcionado aos encarregados e agentes de limpeza terceirizados que atuam em toda a estrutura da Secretaria.

A capacitação foi conduzida pelo engenheiro ambiental e sanitarista, Wilson Calheiros, que falou sobre a gestão correta dos resíduos para evitar contaminações e danos à saúde das pessoas e do meio ambiente.

Os processos apresentados aos agentes foram pautados nas resoluções da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), que dispõem sobre o regulamento técnico para o gerenciamento dos resíduos, do tipo A, B, C, D e E, principais encontrados nos serviços de saúde.

“A resolução Conama estipula que os estabelecimentos prestadores de serviço de saúde e terminais de transporte devem elaborar o gerenciamento de seus resíduos, contemplando os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final desse material. A prevenção é o eixo principal e o tratamento é visto como uma alternativa para dar destinação adequada aos resíduos com potencial de contaminação”, destacou Wilson Calheiros.

Veja também  Fim de semana tem aumento de acidentes com vítimas

Principais resíduos sólidos encontrados nos serviços de saúde

Grupo A: resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características de maior virulência, podem apresentar riscos de infecção, como amostras de laboratório contendo sangue;

Grupo B: resíduos contendo substâncias químicas que podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas características de corrosividade, reatividade e toxicidade, a exemplo de medicamentos;

Grupo C: materiais resultantes de atividades humanas que contenham radionuclídeos em quantidades superiores aos limites de eliminação, como materiais de laboratório de pesquisas;

Grupo D: resíduos que não apresentam risco biológico, químico ou radiológico à saúde ou ao meio ambiente, podendo ser equiparados aos resíduos domiciliares, como sobras de alimentos;

Grupo E: materiais perfurocortantes como agulhas, ampolas de vidro, brocas, lâminas de bisturi, lancetas e similares.

Ana Cecília da Silva / Ascom SMS

Compartilhe: